PCP reivindica complemento regional para pensionistas e reformados

07 Jun 2019 / 16:42 H.

O Grupo Parlamentar do PCP no Parlamento Regional, realizou hoje uma reunião com a Associação de Reformados Pensionistas e Idosos da Madeira para dar a conhecer as propostas comunistas com vista à resolução dos problemas que afectam estas pessoas.

Ricardo Lume pretende combater as baixas pensões de reforma que colocam os reformados pensionistas e idosos como uma das camadas da população mais vulneráveis à pobreza e à exclusão social.

Os dados estatísticos de 2017, mostram que a Madeira tinha cerca de 68 mil reformados e pensionistas e a média do valor mensal da pensão era de 386€ valor, muito inferior ao da média nacional fixada nos 435€, demonstrando a necessidade de “medidas urgentes” para garantir mais e melhor qualidade de vida.

“Se a nível nacional foi possível, com a intervenção do PCP, dar passos na valorização das pensões e nas reformas, na Região o PSD e o Governo de Miguel Albuquerque chumbou todas as propostas que o PCP apresentou na Assembleia Regional para garantir a melhoria das condições de vida dos reformados e pensionistas da nossa região”, refere Ricardo Lume, destacando as medidas apresentadas pelos comunistas ao longo das últimas décadas na Assembleia Regional, como a criação de um complemento de reforma de 65€ para todos os reformados e pensionistas que auferem rendimentos inferiores ao salário mínimo, chumbada pela maioria PSD.

“Se existe na Região um acréscimo ao salário mínimo nacional para combater os custos de insularidade, se existe na Região um subsídio de insularidade para os trabalhadores da administração pública para combater os custos de insularidade; se nos Açores, por proposta do PCP, os reformados e pensionistas açorianos recebem um complemento regional de reforma há mais de 20 anos para combater os custos de insularidade, por que razão não existe um complemento regional de reforma para os reformados e pensionistas da Madeira e do Porto Santo?”, questiona Ricardo Lume, prometendo continuar a lutar para mais justiça social nesta área.

Outras Notícias