Médicos que contestam Mário Pereira convocam nova reunião

Nenhum dos 33 demissionários recuou na decisão

13 Fev 2020 / 13:41 H.

Os médicos do SESARAM que se opõem ao novo director clínico, e que de forma insistente solicitam que a demissão como directores de serviço e coordenadores de unidades seja aceite, vão voltar a reunir na próxima segunda-feira na Ordem dos Médicos para definir novas forma de protesto.

Um dos directores demissionários garante ao DIÁRIO que nessa altura será lido mais um comunicado e que para já “todo os 66% dos directores de serviço apresentaram ao Conselho de Administração do SESARAM e ao secretário regional da Saúde a respectiva demissão, tendo dado até hoje para que a mesma fosse apreciada seriamente”.

Para além de garantirem estar unidos, os contestatários lamentam as campanhas de contra-informação postas a circular por Mário Pereira, negando ter havido um que fosse a reconsiderar. “Isso é uma grande mentira e uma perfeita falácia”, referem.

Como o DIÁRIO tem noticiado, Governo e o SESARAM assumem não aceitar as demissões apresentadas, tentam que pelo menos boa parte dos demissionário reconsidere e esforçam-se sem sucesso por encontrar nomes alternativos para as chefias que ficam vagas.

A Ordem dos Médicos que tomou conhecimento, através da comunicação social, da demissão de 33 directores de serviço e coordenadores de unidades do SESARAM, na sequência da nomeação do novo director clínico, Mário Pereira, já assumiu que encara a situação com “muita preocupação”, deixando uma primeira palavra de solidariedade aos colegas da Madeira.

Num comunicado emitido pelo gabinete do bastonário Miguel Guimarães, a OM sublinhou que tem respeitado as nomeações de directores clínicos, seja no continente ou na Madeira, mas insiste que esta situação vem, uma vez mais, demonstrar que as nomeações para estes cargos “não deviam partir do poder político, mas sim decorrer de uma escolha interpares”.