Médicos do SESARAM condenam partidarização da área clínica da saúde

03 Fev 2020 / 21:26 H.

Foi uma curta declaração, lida pelo antigo presidente do Conselho de Administração do Serviço de Saúde da Região (SESARAM), Filomeno Paulo Gomes, o resultado da reunião que juntou, desde o final da tarde hoje, na sede do Conselho Médico da Madeira da Ordem dos Médicos, cerca de 40 médicos, entre directores de serviço, ex-directores clínicos e dois ex-secretários regionais da Saúde, que se manifestam contra a nomeação de Mário Pereira como director clínico.

A insatisfação dos médicos do SESARAM pela nomeação de Mário Pereira, que o DIÁRIO avançou no último domingo, prende-se sobretudo com uma decisão que entendem ser ilegal, já que a decisão emana do acordo político entre PSD e CDS e não de uma decisão do presidente do CA do SESARAM ou do Secretário da Saúde. Os médicos expressaram desagrado por esta nomeação “concertada entre partidos políticos” e entendem que a “partidarização área clínica da saúde pode levar a uma instabilidade dos profissionais que se pode reflectir negativamente na qualidade da prestação dos serviços que pretendemos que sejam sempre prestados da melhor forma para a nossa população”, leu Filomeno Paulo.

Os médicos dizem agora estar à espera dos próximos passos e que, caso a tomada de posse se efective na próxima sexta-feira, “veremos que atitudes poderemos tomar”.