Governo responde um ano depois a proposta da ACIF

Cristina Pedra está satisfeita com a redução da taxa geral do IRC de 21% para 20%, mas contava que nesta altura a negociação já pudesse ser para menos dois pontos percentuais.

21 Nov 2018 / 09:01 H.

A presidente da Associação Comercial e Industrial do Funchal – Câmara de Comércio e Indústria da Madeira (ACIF - CCIM) está satisfeita com a redução do IRC (Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas) de 21% para 20%, notícia que faz manchete hoje no DIÁRIO, uma proposta aliás apresentada ao Executivo de Miguel Albuquerque há um ano, recordou Cristina Pedra. “Vejo de forma muito positiva, uma vez que traduz-se em todas as empresas que têm matéria colectável, e não só a redução de um ponto percentual em relação à taxa geral, mas também em relação à forte redução da taxa de IRC que vai até ao escalão de 15 mil euros e que passa a igualar a taxa existente na Região Autónoma dos Açores”, reagiu.

Segundo a presidente, a proposta apresentada há um ano e foi precisamente deste valor. Nesta altura contava que a redução pudesse ser de 2%, mas compreende que não foi possível anteriormente. “Foi a altura em que foi possível fazê-lo”, afirmou, referindo a possibilidade de as empresas usarem essas poupanças para os seus negócios, nomeadamente na estrutura de custos e investimentos. Há um ano a proposta da ACIF ia também no sentido de reduzir a taxa de IRC para 13,4% num escalão até aos 15 mil euros e 1% percentual na taxa geral. “O que tínhamos proposto era há um ano atrás e hoje já trabalhávamos para uma redução de dois pontos percentuais. Em todo o caso é um começo muito importante”, reconheceu.

Cristina Pedra não consegue precisar quanto representa em euros esta poupança, seria necessário saber qual o contributo das empresas de base regional.

Tópicos

Outras Notícias