Célia Pessegueiro faz à Ponta do Sol o que António Costa faz à Madeira

23 Fev 2019 / 12:59 H.

O grupo parlamentar do PSD esteve hoje na Ponta do Sol para “denunciar a conduta prepotente e desmedida da presidente da Câmara” relativamente à distribuição das verbas para 2019 referentes aos apoios às instituições e associações do concelho.

“Todas as instituições dirigidas por pessoas próximas do PSD levaram um corte nas verbas, de uma forma exagerada”, afirmou o deputado Gualberto Fernandes, dando os exemplos da Casa do Povo e da Banda de Música.

No primeiro caso, salientou, recebeu no ano passado 51 mil 878 euros, ficando este ano com menos 13 mil 378 euros. Dos 38 mil e 500 euros que vai receber, ainda tem de tirar 10 mil para a aquisição de uma carrinha, sobrando apenas 28 mil e 500 euros para as actividades a serem desenvolvidas ao longo de todo o ano.

O deputado lembrou que é esta instituição que organiza a Mostra da Banana e a Festa da Cana, tendo eventos todo o ano e 300 alunos a aprender música à sua responsabilidade.

“Igualmente mau é o que se passa com a Banda de Música”, disse, acrescentando que em 2018 a verba foi de 15 mil e 500 euros e que este ano recebe 11 mil e 500 euros, menos quatro mil euros.

“Como é que uma instituição centenária, que tem representado o concelho, a Região e Portugal pelo mundo inteiro pode ter as actividades que pretendia fazer durante o ano de 2019?”

Perante este cenário, Gualberto Fernandes conclui que a “presidente da Câmara, Célia Pessegueiro, está a fazer aos pontassolenses, aquilo que António Cosa está a fazer à Madeira. Isto é inconcebível”.