Desprezível

16 Mai 2019 / 18:54 H.

    Há bens fundamentais que o Estado tem e deve,

    obrigatoriamente, assumir e controlar: A água, bem

    universal e público e a electricidade. Esta foi alienada

    e a água está a ser objecto de negócio(!). Inclua-se o

    Sistema Integrado de Redes de Emergência de Portugal -

    SIRESP, que não deve estar na mão de privados. Actualmente, o Tribunal de Contas diz que os contratos entre o Estado e o SIRESP são opacos. Porquê? Esta rede de emergência falhou nas comunicações, scandalosamente,

    em anos anteriores, em incêndios que causaram mortes.

    Assim, o controlo público deste é um desígnio nacional.

    O Estado deve uma importância a esta empresa, controlada

    pela Altice, que ameaça desligar o serviço de emergência,

    já em plena época de fogos. Isto é gravíssimo e classifica-se:

    «É» criminoso! Num Estado de efectivo direito havia lugar, já!,

    a diligências judiciais contra a desprezível Altice, que ameaça

    as nossas vidas! Quantas pessoas já pereceram pelas falhas

    de comunicação, nos variados incêndios, da maioritária Altice?

    Quantas são precisas mais morrer?, para o Estado tomar em

    suas mãos, definitivamente, o SIRESP!

    Vítor Colaço Santos