Costinha em lágrimas na conferência de antevisão da partida entre Nacional e Sporting

18 Abr 2019 / 13:40 H.

O treinador do Nacional da Madeira, Costinha, foi esta tarde surpreendido pelos capitães de equipa, Diego Barcelos, Felipe Lopes e Diogo Coelho, na conferência de imprensa de antevisão da partida entre alvinegros e leões, agendada para esta sexta-feira, na Choupana, às 18 horas.

Num momento em que o conjunto da Choupana encontra-se abaixo da linha de água, e por isso numa posição delicada relativamente à pretensão de permanecer no mais alto escalão do futebol português, os três atletas interromperam as palavras do timoneiro, que fazia o lançamento do encontro para a comunicação social, e sentaram-se ao seu lado para expressar a máxima confiança do balneário no trabalho de Costinha.

“Gostaria de pedir desculpa por interromper a conferência de imprensa, mas nós, os capitães, viemos aqui representar o grupo e por um motivo: esse motivo é o mister. Viemos aqui depositar total confiança no seu trabalho e dizer que estamos contigo, neste momento. A equipa está focada naquilo que é o desejo do clube e por isso essa nossa vinda aqui. O mister esta semana foi duramente criticado, inclusive com o pedido de saída, mas como já disse, a equipa toda e o grupo todo está no mesmo barco. E se o mister está aqui hoje presente é porque tem a confiança da Direcção e, principalmente, do balneário. É esse o recado que queremos deixar. São cinco finais que nós temos e vamos fazer de tudo, todos juntos, para manter este clube na I Liga”, atirou Diego Barcelos, o porta-voz da inesperada presença dos atletas alvinegros na sala de imprensa do Estádio da Madeira, que responderam assim às críticas lançadas, durante esta semana, por Miguel Sousa, presidente da Assembleia-Geral do Nacional.

“É um adversário forte, mas que não quer ganhar mais do que o Nacional”

Relativamente ao jogo de amanhã, Costinha alertou que o Nacional recebe em casa “uma equipa forte, que vem de um ciclo de vitórias muito bom, com bons jogadores e bom treinador”, mas os alvinegros terão “de fazer pela vida”, dado que a equipa “encontra-se numa situação complicada neste momento”, realçando que a formação “tem força para poder sair desta situação”, bastando para isso que haja mais concentração, rigor “e uma pontinha de sorte que está a faltar”, mas que têm de a procurar. “É um adversário forte, mas que não quer ganhar mais do que o Nacional”, referiu Costinha.