Falta de macas volta a reter ambulâncias nas Urgências do Hospital

“As macas das ambulâncias andam já nos andares com os doentes” relatou na última hora fonte dos bombeiros.

11 Fev 2020 / 12:01 H.

Várias ambulâncias de socorro voltaram a ficar retidas no Hospital Dr. Nélio Mendonça por alegada falta de macas no Serviço de Urgência. A situação denunciada esta manhã ao DIÁRIO por fonte dos bombeiros dá conta que o mesmo constrangimento já ontem havia causado perturbações na prontidão dos serviços de emergência pré-hospitalar.

“Não há macas no hospital. As macas das ambulâncias andam já nos andares com os doentes”, relatou na última hora elemento de corporação de bombeiros que aguardava há mais de meia hora a devolução da maca com doente transportado às urgências. Procedimento que “em condições normais demora cinco minutos, dez quanto muito”, assegurou. A mesma fonte garante que “já ontem (segunda-feira) tinha acontecido o mesmo”, referindo-se a um tempo de espera pela libertação da maca acima do normal.

No exterior das Urgências, pese embora o parque de viaturas destinado às ambulâncias não estivesse lotado, tal não significa que lá dentro não haja atrasos nos procedimentos de entrega dos doentes transportados de ambulância ao serviço de urgências. Dificuldade que não é nova, ocorrendo sempre que há falta de macas disponíveis para acolher doentes, confirmou fonte de uma outra guarnição que durante a manhã desta terça-feira também realizou serviço de emergência pré-hospitalar e ficou a aguardar “mais tempo do que é normal”, pela devolução da maca para poder regressar ao quartel.