MUDAS recebe exposição ‘REPETIÇÕES - Mudanças incrementais’ de Martim Brion Sanches

17 Fev 2020 / 13:11 H.

No próximo dia 21 de fevereiro pelas 18h30 abrirá ao público na Galeria do MUDAS.Museu de Arte Contemporânea da Madeira a exposição REPETIÇÕES - Mudanças incrementais de Martim Brion Sanches. Reúne fotografia e escultura, tem curadoria do Museu e, poderá ser visitada até 10 de maio. Esta exposição marca não apenas a rentrée da temporada artística do MUDAS para 2020, mas também, a reabertura da Galeria do MUDAS.Museu, após um curto encerramento para obras de requalificação. Este espaço dedicado à dinamização e divulgação cultural, retoma a sua atividade com mais uma sala de exposições, neste museu tutelado pela Secretaria Regional de Turismo e Cultura, possibilitando projetos de maior envergadura e novas dinâmicas expositivas.

Sobre este artista, refira-se que é licenciado em Relações Internacionais e Ciência Política na Monfort University em Leicester no Reino Unido. Após um período de trabalho em Lisboa, no jornal O Público e no Ministério dos Negócios Estrangeiros, estabelece-se em Madrid concluiu o Masters in International Management no IE BusinessSchool. Trabalhou na Roland Berger Strategy Consultants em Frankfurt e Dusseldorf na Alemanha. Após um breve período em Portugal, regressa para Londres onde estuda Art and Business no Sotheby’s Art Institute, trabalhando depois na Galeria Gagosian e na Leiloeira Christie’s assim como na Sutton PR.

Com um vasto e variado percurso nacional e internacional, Martim Brion passou por Espanha, Alemanha, Reino Unido e EUA. Tendo também viajado por períodos prolongados por países tão diversos como: Suécia, Dinamarca, Croácia, Albânia, Grécia, República Checa, México, Peru, Brasil, Bolívia, Argentina, Panamá, Tanzânia, Marrocos, Austrália, Singapura, HongKong, Macau, Japão, entre outros.

Teve a sua primeira exposição individual no Espaço da Politécnica – Artistas Unidos em 2014. Em 2015 foi-lhe atribuído o prémio Ibero-Americano do Banco Itáu e Embaixada do Brasil em Londres. Em 2016 expõe com Ado & Comenius no Rua da Madalena Project em Lisboa. Em 2017, faz uma escultura site specifc para o Museu de História Natural e da Ciência em Lisboa, ingressando no mesmo ano no Royal College of Arts em Londres. Em 2018 tem a sua primeira exposição em Berlim, Kontrapunkt, no Kunstraum Botschaft. Em 2019 integra a exposição Areal 3 – Uma exposição de António, Sofia e Martim Areal no Mercado do Peixe do Museu Carlos Reis em Torres Novas, tendo também desenvolvido para a travessa da Ermida o projeto “Capela, Altar, Janela”.

Presentemente integra em Berlim a mostra coletiva “Incremental Abstractions” em conjunto com Ilona Kálnoky, Jaacov Blumas, Katrin Bremermann, Michaela Zimmer e Pedro Boese.