Caminho Real 23 estreia-se como Museu a céu aberto

Uma centena de pessoas percorreram este sábado de manhã os caminhos da Ponta do Pargo pela visão de Henrique e Francisco Franco

23 Mar 2019 / 12:09 H.

Cerca de uma centena de pessoas percorreram, na manhã deste sábado, o Caminho Real 23 na freguesia da Ponta do Pargo, numa iniciativa pioneira de fusão entre pedestrianismo e exposição de pintura, organizada pela Associação do Caminho Real da Madeira em parceria com o Museu Henrique e Francisco Franco.

O dia primaveril acolheu os caminheiros nos cerca de 5 quilómetros de percurso entre a Capela da Boa Morte e a Igreja da Ponta do Pargo, mostrando por entre a natureza e o bucólico da freguesia mais a oeste da Madeira, 24 pinturas dos irmãos Henrique e Francisco Franco comentadas com o valioso conhecimento da directora do Museu, Esmeralda Lourenço.

Réplicas de conhecidas pinturas como ‘A Blusa Azul’, ‘La Poule Noire’ ou ‘Menina dos Tabaibos’ surpreenderam os entusiastas do Caminho Real em locais improváveis como o miradouro do Pico Vermelho, o fontanário da Ribeira da Vaca ou a Ponte das Américas.

Esta mostra marca um regresso dos dois irmãos àquela localidade, de onde radica a sua família materna e cujas paisagens e costumes são presentes nas suas obras.

À chegada foi visitada a Igreja de São Pedro, na Ponta do Pargo, um edifício maneirista, imóvel de interesse municipal, composto por uma nave única e duas capelas laterais, onde se destacam vários retábulos datados do século XX.

No final do evento, os presentes, envidaram numa incursão gastronómica, provando a tradicional sopa de trigo e o pão caseiro confeccionado na Calheta.

Este evento contou com o apoio da Câmara Municipal da Calheta Madeira e da Junta de Freguesia da Ponta do Pargo.