Condenados a dois e três anos de prisão oito trabalhadores de clube ‘gay’ na Indonésia

15 Dez 2017 / 09:15 H.

Um tribunal indonésio condenou pelo menos oito indivíduos detidos numa rusga a um clube e sauna ‘gay’ a penas entre dois e três anos de prisão, disseram um ativista e um familiar de um dos homens.

Os indivíduos estavam entre mais de 140 homens detidos na sequência de uma rusga, em maio, durante o que a polícia designou de festa sexual num ‘spa’ em Jacarta.

A maioria foi libertada porque a homossexualidade não é ilegal na Indonésia, mas dez homens foram acusados ao abrigo de leis antipornografia.

Imam Shofwan, da Fundação Pantau, que tem estado a monitorizar o julgamento, disse que as sentenças foram conhecidas na quinta-feira.

A agência noticiosa norte-americano Associated Press tentou hoje sem êxito contactar o porta-voz do tribunal distrital do norte de Jacarta.

Os condenados incluem um diretor e vários empregados, incluindo ‘strippers’, um treinador de ginásio, recepcionista e um segurança.

Shofwan disse que as sentenças de outros dois acusados, que alegadamente praticaram sexo oral, foram adiadas para a próxima semana.