Índice de Custo do Trabalho na Região diminuiu 1,1% face ao trimestre homólogo

14 Nov 2017 / 12:02 H.

No 3.º trimestre de 2017, o Índice de Custo do Trabalho (ajustado de dias úteis) registou um decréscimo de 1,1% em relação ao mesmo período de 2016. De acordo com uma informação divulgada há pouco pela Direcção Regional de Estatística da Madeira, no trimestre anterior tinha sido igualmente observado um decréscimo homólogo de 0,9%.

A variação deste Índice no trimestre em referência resultou do efeito conjugado das variações ocorridas nas suas duas principais componentes: os custos salariais e outros custos.

Os custos salariais (por hora efectivamente trabalhada) diminuíram 1,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, redução que resulta do facto do acréscimo das horas efectivamente trabalhadas ter sido maior que o acréscimo verificado nos salários base. Os custos salariais incluem o salário base, prémios e subsídios regulares, prémios e subsídios irregulares (subsídio de férias, subsídio de Natal; prémios de fim do ano/distribuição de lucros; outros prémios e subsídios pagos com carácter irregular), pagamento por trabalho extraordinário e pagamento em géneros.

Os outros custos (não salariais, também por hora efectivamente trabalhada) registaram uma diminuição homóloga de 0,2%. Os aumentos verificados na horas extraordinárias, contribuições e pagamentos em géneros inferiores aos aumentos das horas efectivamente trabalhadas conduziram à redução deste indicador.

Os outros custos incluem indemnizações por despedimento, encargos legais a cargo da entidade patronal (contribuição patronal para a Segurança Social; seguro de acidentes de trabalho e doenças profissionais), encargos convencionais, contratuais e facultativos (prestação complementar de reforma/invalidez; seguro de saúde; seguro de vida/acidentes pessoais; prestações sociais pagas directamente ao/à trabalhador/a em caso de ausência por doença).

A nível nacional, o valor daquele índice registou um acréscimo homólogo de 0,4%: a variação foi de 0,6% na componente dos custos salariais e de -0,4% nos outros custos.

Tópicos

Outras Notícias