Há uma clara recuperação económica desde 2012

Análise técnica de Rui Constantino, economista Chefe do Santander

12 Out 2018 / 10:26 H.

Interveniente na sessão de abertura da XII Conferência Anual de Turismo, o economista chefe do Santander, Rui Constantino, salientou que a crise afectou de forma pronunciada a rendibilidade doa capitais próprios, garantindo que Portugal recuperou níveis de 2006 com bons resultados sobretudo desde 2012.

Lembrando que quando Portugal entrou em crise tinha os níveis de endividamento global dos mais altos da união europeia, situação que recuperou 5% no global e 15% na área do turismo, sendo que na Madeira foi de 10% a nível global e de 18% no turismo, embora em termos de rotação de activos Portugal, tal como a Madeira, estão muito longe de recuperação de activos de outros países.

No que toca ao nível de alavancagem a diminuição na Madeira foi de 77% e de 75% no turismo, situação que considerou positiva, uma vez que as empresas mais saudáveis são as que quanto mais baixo tiverem nesse indicador melhor estarão para enfrentar as dificuldades.

Rui Constantino salientou que as dinâmicas geradas na economia e, em particular, no turismo, resultou num factor de crescimento de todo o sector, com Portugal a superar a quota de mercado que tinha no mundo em 2000 de uma forma transversal e não apenas no turismo.