“Governo da República tem uma estratégia de cerco e boicote à Madeira”

Lisboa /
12 Jul 2018 / 18:01 H.

O deputado eleito pelo PSD-M à Assembleia da República, Paulo Neves, acusou hoje o governo da República de ter uma “estratégia de boicote e de cerco à Madeira”. Paulo Neves deu exemplos como a “recusa em obrigar a TAP e ser eficiente com a Madeira e a não praticar preços abusivos” mas também a recusa do governo da República em apoiar a mobilidade aérea de mercadorias e a marítima de passageiros e mercadorias. Paulo Neves falava durante o debate da Proposta de Lei, enviada pela Assembleia Legislativa da Madeira à Assembleia da República, sobre o subsídio de mobilidade. O deputado afirmou que “com o aproximar das eleições regionais o cerco do governo da República aperta-se” e é manifestado numa estratégia que passa por “o que promete não cumpre e o que a Lei obriga a cumprir também não cumpre obrigando o governo Regional a assumir sozinho encargos e responsabilidades que deveriam ser da República”. O deputado madeirense afirmou que “o governo da República manifesta uma política de punição contra todos os madeirenses porque a maioria votou livremente por um governo do PSD. O governo do PS na República não perdoa”. Paulo Neves terminou afirmando que “aquilo que se passa neste momento em relação à Madeira, no que se refere à ineficiência da mobilidade, é muito grave porque põe em causa um dos princípios mais nobres da República que é a unidade territorial de todo o Portugal”. Paulo Neves anunciou que o PSD votará a favor da Proposta de Lei, vinda da Assembleia Legislativa da Madeira, e elogiou a unanimidade da Proposta acrescentando que “acompanhar na Assembleia da República o sentido de voto expresso pelos nossos colegas no Parlamento da Madeira é respeitar os eleitos pelo Povo da Madeira”.

Outras Notícias