Museu da Língua Portuguesa apresenta exposição itinerante em Lisboa

Brasil /
05 Set 2018 / 11:49 H.

A exposição itinerante “A Língua Portuguesa em Nós”, criada pelo Museu da Língua Portuguesa, no Brasil, chegará a Lisboa em outubro, indicou à agência Lusa fonte da entidade, que será hoje visitada pelo ministro português da Cultura.

O ministro Luís Filipe Castro Mendes faz hoje uma visita oficial àquele museu, em São Paulo, onde deverá visitar as obras de reconstrução do edifício, destruído parcialmente por um incêndio em 2015, à semelhança do que aconteceu no domingo, no Museu Nacional, no Rio de Janeiro.

O ministro terá uma reunião de trabalho com representantes do museu, na qual serão faladas questões relativas à cooperação estabelecida com o Instituto Camões, uma parceria que consiste em criar e adoptar conteúdos relacionados com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) para o museu.

De acordo com o Museu da Língua Portuguesa, a exposição “A Língua Portuguesa em Nós”, deverá ser apresentada no Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT), localizado em Belém, onde poderá ser visto parte do acervo da entidade.

Esta exposição tem vindo a percorrer países da África onde se fala português e, desde maio, já foi exibida em Cabo Verde, Angola e Moçambique, onde se encontra desde 15 de Agosto.

Inicialmente montada no Brasil, onde se estreou na 16.ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty, a mostra faz um percurso pela presença da língua portuguesa no mundo, que representa atualmente cerca de 270 milhões de falantes nos cinco continentes.

Também é focado o contacto com outros idiomas e a sua participação na formação cultural brasileira.

Várias experiências audiovisuais integram o acervo do Museu da Língua Portuguesa: “A Praça da Língua” reproduz a experiência-símbolo do museu numa instalação imersiva com obras da criação artística em língua portuguesa, que formam um mosaico de músicas, poesias, trechos literários e depoimentos, com textos interpretados por artistas como Maria Bethânia, que declama Fernando Pessoa.

Por sua vez, a área “Música e Culinária” aborda a relação entre língua, identidades e culturas, e no espaço “Cápsula de colecta dos falares”, o visitante é convidado a gravar em vídeo o seu depoimento sobre a relação com o idioma, testemunhos que passarão a fazer parte do acervo do Museu da Língua Portuguesa.

O museu - que em dez anos de funcionamento recebeu cerca de quatro milhões de visitantes - tem vindo a organizar uma programação cultural diversa e exclusiva para cada país onde a exposição é apresentada.

A exposição “A Língua Portuguesa em Nós” é uma iniciativa do Itamaraty, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo, a Fundação Roberto Marinho, o Museu da Língua Portuguesa e o Instituto Internacional da Língua Portuguesa, com patrocínio da EDP e apoio do Instituto Camões e do Instituto EDP.

De acordo com o museu - inaugurado em 2006, e um dos mais visitados do Brasil - as obras de reconstrução terminam no segundo semestre de 2019.

A entidade tem como missão “valorizar a diversidade da língua portuguesa, celebrá-la como elemento fundamental e fundador da cultura e aproximá-la dos falantes do idioma em todo o mundo”.

Já foram concluídas as etapas de restauro das fachadas e esquadrias, e de conservação e reconstrução da cobertura do edifício, e actualmente está em curso a licitação para as obras de interiores, que têm previsão de início em setembro, seguindo-se a instalação da museografia.

A reconstrução do Museu da Língua Portuguesa integrou melhorias de infra-estrutura e segurança, especialmente contra incêndios.

Entre as novas medidas, está um sistema de chuveiros automáticos para reforçar o aparato de segurança contra incêndio, sistema que possui sensores do aumento da temperatura ambiente e accionam a abertura dos bicos para combate contra o fogo, ainda em estágio inicial.

O Museu da Língua Portuguesa é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo, através da Secretaria de Estado da Cultura, concebido e realizado em parceria com a Fundação Roberto Marinho.

Tem como maior patrocinador a EDP e ainda o Grupo Globo, Grupo Itaú e Sabesp e apoio do Governo Federal, por meio da Lei Federal de Incentivo à cultura.

O IDBrasil é a organização social responsável pela gestão do museu.

Outras Notícias