A cada hora uma criança ou adolescente morre atingido por arma de fogo no Brasil

Brasil /
20 Mar 2019 / 23:36 H.

Uma criança ou um adolescente até 19 anos morre a cada hora atingidos por armas de fogo no Brasil, segundo um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgado hoje.

“Nas últimas duas décadas, mais de 145 mil jovens, com idades entre zero e 19 anos, faleceram em consequência de disparos, acidentais ou intencionais, como em casos de homicídio ou suicídio”, refere-se no relatório publicado na página da Internet da SBP.

Só em 2016, o último ano para o qual há dados do Ministério da Saúde sobre o assunto, foram registadas 9.517 mortes por disparo acidental ou intencional de armas de fogo.

Este número quase duplica os 4.846 casos registados em 1997.

“O país precisa de medidas efetivas para aumentar a segurança das nossas crianças e adolescentes, e também dos profissionais que os acompanham nas escolas, nas unidades de saúde, nos centros desportivos e outras instalações do tipo”, defendeu Luciana Rodrigues Silva, presidente da SBP.

O Brasil é considerado um dos países mais violentos do mundo, com uma média de 60 mil homicídios por ano, dos quais cerca de 70% foram cometidos com armas de fogo.

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, assinou em dezembro passado um decreto para facilitar a compra de armas por civis sob o pretexto de garantir o direito dos cidadãos à autodefesa.

A medida foi criticada pela oposição e por várias organizações da sociedade civil, que argumentaram que quanto maior for o número de armas em circulação, maior será a violência.

De acordo com o relatório da Sociedade Brasileira de Pediatria, a cada duas horas uma criança ou adolescente entra num hospital público com ferimentos de bala, num total de quase 96 mil internamentos entre 1999 e 2018.

O tratamento de todos os feridos gerou uma despesa de 210 milhões de reais (cerca de 48,8 milhões de euros) para o sistema de saúde.

Em alguns casos, tanto mortes, como ferimentos são o resultado de balas perdidas em confrontos entre forças policiais e supostos criminosos.

O relatório indica que as principais causas de morte de jovens por armas de fogo estão relacionadas principalmente a homicídios (94%), suicídios (2%), acidentes (1%) e outras intenções indeterminadas (4%).

Outras Notícias