Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal de visita a Centros de Saúde

17 Jan 2019 / 19:07 H.

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR) esteve reunido com o Sindicato dos enfermeiros da RAM, por forma a serem abordadas várias temáticas relacionadas com estes profissionais de saúde. Além disso, o SINDEPOR avança que dará início a um programa de visitas aos Centros de Saúde da zona Leste e Funchal, depois de já ter realizado visita aos Centros de Saúde do Norte e zona oeste da Madeira.

Num comunicado assinado por Óscar Ramos, o SINDEPOR refere que a reunião serviu para reflectir sobre o descongelamento das progressões “sendo este um ponto em que os dois sindicatos encontram-se em consonância, em que se deverá aplicar na região o que foi acordado na última reunião com o Ministério da Saúde, ou seja 1,5 pontos de 2004 a 2014 e dois pontos por biénio até 2018, a todos os enfermeiros independentemente do vínculo”.

“Igualmente, foi abordada a proposta apresentada pelo SINDEPOR ao Secretário Regional da Saúde, em Dezembro de 2018, da possibilidade de negociação de um acordo de empresa, que abrangeria todos os enfermeiros do SESARAM, acordo esse onde se inclui as diferentes categorias de enfermagem, funções inerentes e tabela salarial, com valorização de todos os enfermeiros. Ficou acordado novo encontro entre as estruturas sindicais em Fevereiro no sentido de se tentarem encontrar pontos de convergência mútua”, acrescenta a mesma nota.

Por outro lado, o SINDEPOR encontra-se num processo eleitoral interno, culminando no dia 26 de Janeiro com a eleição dos seus representantes regionais.

“O SINDEPOR mantém uma forte convicção e determinação na resolução das reivindicações da classe. Nesse sentido apela a todos os enfermeiros não sindicalizados que são uma grande parte que se juntem a esta luta que é de TODOS. Estamos na greve cirúrgica a nível continental e encetaremos todos os esforços na resolução dos problemas da classe na Madeira não colocando de parte como é obvio outras formas de luta cá na região se as nossas pretensões não forem atendidas. Mantemos e demostramos continuamente o nosso discurso de convergência pois só assim se conseguirão acordos profícuos e abrangentes”, termina a mesma nota.