PSD considera acção do PS “danosa e prejudicial ao desenvolvimento do Funchal”

12 Dez 2019 / 15:35 H.

O PSD considera que o executivo socialista na Câmara do Funchal teve uma “acção danosa e prejudicial ao desenvolvimento económico e empresarial da cidade”.

Após a reunião de Câmara, de hoje, 12 de Dezembro, o vereador social-democrata Jorge Vale afirmou que são inúmeros os exemplos desta realidade, ao longo dos anos. “Só nos dois últimos anos, assistimos ao uso excessivo e desproporcional da força quando a CMF recorreu à Brigada de Intervenção Rápida da PSP para fazer rusgas nos restaurantes e nas esplanadas, como se os seus proprietários fossem delinquentes”, exemplificou Jorge Vale, apontando também à “tentativa de triplicar para 1,5% o imposto municipal da derrama sobre as empresas e empresários, apesar da Câmara do Funchal registar lucro ano após ano,“ ou ao atraso nas “justas e devidas compensações aos comerciantes e lojistas de ruas como a Fernão de Ornelas ou o Bom Jesus, que sofreram danos nos seus negócios, devido ao prolongamento das obras municipais nessas artérias”.

Jorge Vale continuou com os exemplos de “acção danosa” por parte do Município, recordando a recusa do executivo em “fomentar ou incentivar que as famílias da Madeira façam compras no comércio tradicional e local no centro do Funchal, via isenção parcial do estacionamento público municipal”.

A proposta dos vereadores do PSD visa a atribuição de uma isenção parcial, por um período determinado, do custo do estacionamento a famílias que façam compras nas principais ruas do Funchal. Uma medida que, segundo os Vereadores do PSD, teria pouco custo para a autarquia, mas que “poderia atrair muito mais gente ao centro da cidade e contribuir para a dinamização do comércio local e das lojas tradicionais da cidade.” A medida foi proposta pelo PSD em Novembro de 2017, mas, passados dois anos, “o executivo socialista continua a não querer concretizá-la”, referiu o vereador.