Passaporte de “agente” que liga Trump aos russos encontrado em Câmara de Lobos

05 Dez 2019 / 16:54 H.

Um cidadão maltês que é apontado como um elemento de ligação da campanha de Trump aos serviços secretos da Rússia esteve na Madeira pouco depois da eleição do presidente norte-americano. É nesse sentido que aponta um estranho episódio ocorrido a 5 de Agosto de 2017. Nessa data, o passaporte e a carteira de Joseph Mifsud foram encontrados em Câmara de Lobos e entregues à Polícia, que encaminharam os objectos para o Aeroporto, visto ser o local mais provável onde poderiam ser reclamados, o que não chegou a acontecer.

A história destes achados é destacada hoje pelo site de notícias BuzzFeed. De acordo com esta fonte, o passaporte e a carteira do misterioso cidadão, com 59 anos e professor de profissão, esteve 17 meses à espera de serem reclamados na polícia do Aeroporto da Madeira. A Embaixada de Malta em Lisboa só foi notificada destes achados em 24 de Janeiro de 2019 mas a informação apenas viria a ser transmitida às autoridades no país mediterrânico em Outubro passado.

A investigação do procurador especial Robert Mueller à interferência da Rússia na campanha presidencial norte-americana de 2016 apontou Joseph Mifsud como um elemento de ligação numa história com contornos de intervenção dos serviços secretos. O antigo director do FBI James Comey descreveu o professor maltês como um “agente da Rússia”. Alegadamente terá sido ele o primeiro a informar um conselheiro da campanha de Trump, George Papadopoulos, de que os russos tinham informações comprometedoras retiradas do correio electrónico da candidata democrata Hillary Clinton. O então candidato Trump veio a abordar exaustivamente este assunto ao longo da campanha como forma de expor falhas de segurança da responsabilidade da sua adversária.

O BuzzFeed revela que sete dias após ter sido encontrado o passaporte em Câmara de Lobos as autoridades maltesas emitiram uma segunda via daquele documento de identificação e que este segundo passaporte foi utilizado dois meses depois numa viagem da Ucrânia para a Rússia.

Entretanto, Mifsud não é visto em público há mais de dois anos. Foi visto pela última vez em Roma a 31 de Outubro de 2017, ou seja, dois meses da sua provável viagem à Madeira.