Manifestação no Funchal contra o extermínio de cabras nas Ilhas Desertas

A concentração está agendada para amanhã, sexta-feira, a partir das 11 horas, em frente ao Edifício Golden Gate

16 Mai 2019 / 14:41 H.

A ‘Direct Action Everywhere’ - DxE da Madeira, uma rede internacional de activistas dos direitos dos animais, vai realizar amanhã, sexta-feira, uma manifestação contra o extermínio das cabras das ilhas Desertas. A concentração está marcada para as 11 horas, na Placa Central em frente ao edifício Golden Gate, sede da Secretaria Regionais da Agricultura e Pescas.

“Depois do extermínio das cabras da ilha do Bugio - animal com um ‘património genético provavelmente único a nível mundial’ - por intervenção do Instituto de Florestas e Conservação da Natureza (IFCN), com o aval da Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais que tutela aquele organismo, o Governo Regional, continua a tentar exterminar (a tiro) os últimos exemplares que subsistem, desta feita, as cabras da ilha da Deserta Grande”, contextualiza a DxE numa nota de imprensa enviada ao DIÁRIO.

“Trata-se de num processo que alegadamente, dizem os entendidos, volta a ser conduzido ‘sem os devidos estudos’ e de forma absolutamente agressiva e violenta, sem reunir o consenso da comunidade científica, que acredita existir ainda naqueles animais, algum cariz genético que as distingue de entre a espécie caprina”, sustenta.

Com esta manifestação, o DxE pretende que as entidades responsáveis abram um inquérito quanto ao processo que levou à extinção da Cabra do Bugio e, apurar eventuais responsabilidades. Exige que se acabe de imediato com o abate das Cabras da Deserta Grande até existirem estudos conclusivos por parte de um colégio internacional e independente de cientistas reputados, em relação à singularidade da espécie (ainda) existente.

Acrescenta que na eventualidade de não se verificar essa raridade na espécie ainda existente da Cabra da Deserta Grande, o DxE pretende ver aprovado um programa de recolha dos animais daquela ilha sem que esse passe pelo abate mas sim, pelo acolhimento em recinto controlado na Região Autónoma da Madeira.

Outras Notícias