Costa vem à Madeira “esconder” o “fraco” candidato do PS às europeias

Líder do CDS-PP Madeira pediu um “voto de censura” dos madeirenses ao candidato socialista Pedro Marques

19 Mai 2019 / 00:31 H.

O líder regional do CDS - PP Madeira pediu, sábado à noite, em Câmara de Lobos, “um voto de censura” dos madeirenses ao candidato do PS, Pedro Marques, por “não ter resolvido nenhum dos assuntos” da Região que dependem do Estado, em particular a linha ferry, a revisão do subsídio social de mobilidade, os problemas com a TAP e a não inclusão de qualquer obra regional no Plano Nacional de Investimento (PNI)

“O senhor secretário-geral do PS na Madeira vem à Madeira para esconder o cabeça-de-lista do PS”, disparou Rui Barreto diante de uma plateia com duas centenas de participantes. “E nós sabemos porque razão o faz, é porque o candidato do PS é fraco. Foi até há bem pouco tempo ministro socialista.Podia ter resolvido o subsídio social de mobilidade, nada fez. Podia ter ajudado no restabelecimento da linha ferry, entre o continente e a Madeira ao abrigo do princípio da continuidade territorial, nada fez. Podia ter-se lembrado de incluir pelo menos uma obra no Plano Nacional, nada fez. Eu pergunto: quem nada fez para ajudar os madeirenses merece o voto no dia 26 de maio? Quem censurou os madeirenses durante quatro anos, só merece a censura”, declarou o líder regional do CDS.

Em relação ao PSD, Rui Barreto também não foi brando: “É mais do mesmo, a mesma conversa de há 40 anos”, sinalizou, para concretizar: “O mesmo programa, para as mesmas pessoas, o mesmo fato”, enfatizou, acrescentando. “Temos de mudar isto e não podemos premiar um Governo Regional que tem tratado tão mal a saúde”.

Já quanto ao PCP e BE, uma conclusão: “Olhem para os países que são inspiração para eles, a Venezuela e a Coreia do Norte, olhem aos tiramos e aos ditadores que eles apoiam”.

Rui Barreto pediu aos madeirenses para não ficarem em casa no dia 26 porque sem a Europa a Madeira não teria o desenvolvimento económico e social que regista. Teceu rasgados elogios à candidata Margarida Pocinho: “Tem feito uma campanha extraordinária”, disse. “É uma pessoa competente, uma pessoa de paz, que conhece muito bem os programas europeus, em particular os que têm a ver com a mobilidade, com intercâmbios, a juventude, a ciência e a investigação”.

Preocupada com a abstenção e com o desconhecimento dos eleitores em relação à Europa, Margarida Pocinho assume a candidatura como “uma missão” e resolveu dar alguns exemplos da importância que desempenha o Parlamento Europeu. “Vamos eleger 750 eurodeputados, representativos de cada um dos países. As funções dos eurodeputados são essencialmente três: fazem leis, aprovam orçamentos e fiscalizam. Estas importantes funções orientam a Europa, Portugal e a Madeira. Portanto, a Europa é aqui, não é longe da vista nem do coração, está em todas as nossas casas”. referiu.

José Manuel Rodrigues também utilizou da palavra para dizer que “Margarida Pocinho é de longe a melhor de todas as candidatas da Madeira”, não apenas pela competência que tem demonstrado, mas também pelo conhecimento que revela dos problemas da Madeira e dos mecanismos europeus para esbater as desigualdades porque é responsável por vários projectos de mobilidade europeia com jovens madeirenses, faz avaliação dos melhores cérebros europeus e lecciona em alguns países.

Pela primeira vez, o mandatário da candidatura, João Meirinho Moura, médico de profissão, entrou nesta campanha, para sublinhar a importância da Europa “sobretudo para os jovens”, pelas oportunidades que se abrem na ciência, conhecimento e investigação. Admitiu que não conhecia Margarida Pocinho antes, mas agora que a tem acompanhado gaba-lhe a competência e a humildade. “Tem um currículo académico singular, e quem conhece o meio académico sabe que é muito difícil atingir o reconhecimento que a Professora Margarida tem, se ela está aqui é porque quer ajudar, vamos todos ajudá-la a chegar ao Parlamento Europeu”, declarou.

Uma das surpresas da noite, foi a presença de Gonçalo Nuno dos Santos, histórico militante do PSD, antigo Director do Centro das Comunidades Madeirenses que Rui Barreto e Assunção Cristas convenceram a encabeçar a lista às eleições legislativas nacionais de 6 de outubro próximo, pelo círculo de fora da Europa.