CDU denuncia “ocupação indevida do litoral” no Portinho

16 Jan 2019 / 16:05 H.

A CDU esteve hoje no sítio do Portinho, no Caniço, para denunciar o que considera “um atentado patrimonial que ali se prevê e que levou por essa razão à suspensão do PDM do Concelho de Santa Cruz”.

“A praia do Portinho além de ser belíssima, é uma das poucas praias que ainda não está privatizada, nem dominada pelos grupos hoteleiros. Mas além de a Madeira ainda nem sequer ter um POOC – é mesmo a única região do país sem um Plano de Ordenamento da Orla Costeira! – mais recentemente até se decidiu suspender o Plano Director Municipal de Santa Cruz por 2 anos, com a conivência do Governo Regional, para se construir mais um hotel na zona do sítio do Portinho.

A deputada da CDU, Sílvia Vasconcelos, diz que a construir mais um hotel no sítio do Portinho, “com a conivência do Governo Regional”, trata-se de mais um passo no processo de “turistificação do litoral, em detrimento dos interesses ambientais e do interesse público”.

“Não está em causa a construção de mais um hotel, capaz de criar novos postos de trabalho; está em causa a construção de mais um hotel em cima do litoral para satisfação de interesses financeiros particulares, projecto, este, que vem já do tempo do PSD e que foi acolhido pela actual autarquia”, ressalva Sílvia Vasconcelos.

Neste sentido, “o PCP defende o regramento e ordenamento do litoral, na defesa do interesse público regional, pois este investimento quanto a nós não se enquadra na valorização desta zona nem do nosso litoral”, comparando a obre em causa à requalificação da promenade dos Reis Magos (onde está previsto um projecto de construção de piscinas) e à nova promenade prevista para ligar o Portinho aos Reis Magos.

“Lamentavelmente o que este tipo de empreendimentos costeiros tem, é contribuído para a destruição da nossa paisagem e património natural, pondo em causa até a sustentabilidade turística da nossa ilha que é sobretudo procurada pela sua paisagem natural. É preciso que se trave a venda a retalho do litoral madeirense e a ocupação irresponsável do domínio público marítimo”, sublinha a deputada comunista, apelando ainda a que “as autarquias e Governo Regional sejam os primeiros a defender os seus planos directores”.