Investigadores portugueses descobrem novo caminho para atacar parasita da malária

Lisboa /
06 Nov 2017 / 16:20 H.

Investigadores do Instituto de Medicina Molecular (iMM) descobriram como se protege o parasita da malária no fígado humano, estando agora a pesquisar medicamentos que ataquem essa protecção, sem a qual o parasita morre.

Os investigadores consideram que a proteína UIS3 - que se liga a outra proteína para proteger o parasita de se auto destruir no fígado - é “um possível calcanhar de Aquiles” do parasita.

Num estudo publicado hoje na revista Nature Microbiology os cientistas defendem que a investigação “demonstrou que sem a proteína UIS3 o parasita não é capaz de sobreviver dentro de células do fígado de ratinhos normais. No entanto, recupera a sua capacidade infecciosa se a autofagia do hospedeiro se encontrar comprometida”, segundo um comunicado do iMM.

A investigadora Maria Mota, que liderou a equipa, explicou à Lusa que o parasita da malária se aloja primeiro no fígado e só cerca de uma semana depois infecta as células do sangue, um mecanismo que só foi descoberto a meio do século passado.

“A fase hepática (que diz respeito ao fígado) é muito importante”, porque a picada de mosquito transmite um pequeno número de parasitas, que só depois se multiplicam por milhares, explicou a investigadora, dando um exemplo.

O que a equipa descobriu foi que o parasita deposita uma proteína na membrana que o envolve o que impede que o sistema o destrua, ainda que o detecte. “As células têm um sistema de autofagia, que serve para destruírem corpos estranhos, o que se passa neste caso é que a célula ataca mas o parasita defende-se”, disse Maria Mota.

“Se conseguirmos bloquear o inibidor o hospedeiro destrói o parasita”, disse a investigadora, acrescentando que o próximo passo é descobrir um medicamento que impeça a formação desse “escudo protector”.

“Arranjar um fármaco não é simples, embora em teoria seja simples”, disse Maria Mota, acrescentando que a equipa está a testar já “duas ou três” formas mas que soluções finais demorarão sempre alguns anos.

E deverá ser um medicamento profilático, para viajantes e pessoas que vivam em zonas endémicas, afirmou.

“Esta descoberta identifica a proteína UIS3 como um possível alvo para o desenvolvimento de novos fármacos contra o parasita da malária, nomeadamente contra as formas hepáticas da doença”, refere o comunicado do iMM.

O iMM, instalado em Lisboa, é um instituto que promove a investigação biomédica, nas áreas do estudo dos mecanismos da doença e do desenvolvimento de novas formas de diagnóstico e de novas abordagens terapêuticas.