Bangladesh confirma penas de morte para 139 pessoas

28 Nov 2017 / 10:12 H.

O tribunal superior do Bangladesh confirmou uma decisão de outro tribunal que condenou 139 guardas fronteiriços à morte devido a um motim em 2009, em que 74 pessoas, incluindo 57 comandantes do exército, morreram.

O tribunal condenou 152 pessoas à morte em 2013, mas em resposta a um recurso, o juízo superior comutou as sentenças de oito para prisão perpétua e absolveu outras quatro.

Outro homem morreu durante os 370 dias de procedimentos antes do veredito do tribunal superior, na segunda-feira.

Um total de 846 pessoas, a maioria das quais guardas fronteiriços, enfrentam julgamento.

O motim dos guardas fronteiriços de 25 de fevereiro de 2009 aconteceu dois meses depois de o primeiro-ministro, Sheikh Hasina, tomar posse. Hasina voltou ao poder em 2014.

Um painel de três membros composto por juízes do tribunal superior disse, ao emitir a decisão, que os guardas atuaram como assassinos “brutais” e “de sangue frio”.

O procurador-geral Mahbubey Alam disse que após o veredito os arguidos podem recorrer ao Supremo Tribunal.

Outras Notícias