“Solidariedade dos madeirenses merece aplauso”

País /
07 Dez 2017 / 15:17 H.

Na campanha de recolha deste fim-de-semana Bancos Alimentares Contra a Fome angariam mais de 2.200 toneladas de alimentos, com a colaboração de 42 mil voluntários, informa um comunicado da Federação portuguesa dos Bancos Alimentares.

A Campanha ‘Saco’ realizou-se, entre 1 e 3 de Dezembro (2 a 3 na Madeira) em 2 mil superfícies comerciais de 21 regiões do páis (Abrantes, Algarve, Aveiro, Beja, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Cova da Beira, Évora, Leiria-Fátima, Lisboa, Oeste, Portalegre, Porto, Santarém, Setúbal, S. Miguel, Viana do Castelo, Viseu, Terceira e Madeira). A Campanha coincidiu com iguais operações de recolha de géneros alimentares organizadas pelos 264 Bancos Alimentares Contra a Fome em actividade por toda a Europa.

Na Madeira foram angariados 27482.5 kgs de alimentos, mobilizando milhares de voluntários (800 nos supermercados, 100 no armazém, 40 chefes de equipa que coordenaram as equipas/ turnos dos voluntários, 30 voluntários nos transportes, 10 voluntários do núcleo central da equipa responsável pela organização da Campanha e ainda 10 empresas, que apoiaram com a cedência de bens, equipamentos e serviços de apoio logístico à campanha, e 10 viaturas cedidas por empresas, instituições de solidariedade social e particulares).

O BA Madeira quis deixar um agradecimento “às cadeias de distribuição (Pingo Doce, Continente, Recheio Cash and Carry, Super S. Roque e Super Novo onde decorreram as campanhas), às empresas e entidades governamentais, autarquias, voluntários e particulares que se associaram à 10 ª Campanha de recolha de alimentos” e, ainda, “aos órgãos de comunicação social pela disponibilidade demonstrada na publicitação e cobertura da Campanha”.

Os géneros alimentares recolhidos na Madeira serão distribuídos a partir do dia 1, por um total de 28 Instituições de Solidariedade Social, através das quais serão abrangidas mais de 8 mil pessoas, com carências alimentares comprovadas, informa a mesma nota. No Continente, géneros alimentares recolhidos serão distribuídos, a partir da próxima semana, a 2.630 Instituições de Solidariedade Social, que os entregam a cerca de 420 mil pessoas com carências alimentares comprovadas, sob a forma de cabazes ou de refeições confeccionadas.

“Embora não possamos ainda fazer um totalmente balanço final, a adesão à campanha do fim-de-semana foi muito positiva. Este foi um ano no qual os portugueses foram chamados a contribuir devido à tragédia dos incêndios que vitimaram pessoal e materialmente tantas famílias, mas as pessoas sabem bem que a retoma económica não ainda chegou às pessoas mais pobres e expressaram a sua solidariedade quando foram às compras, partilhando com os mais necessitados”, refere a Presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares contra a Fome, Isabel Jonet, que fez questão de expressar um “agradecimento aos milhares de doadores, aos voluntários e às empresas e entidades que apoiaram esta campanha, dando assim o seu grande contributo para que os Bancos Alimentares possam continuar a acudir a muitas pessoas necessitadas”.

Recorde-se que prossegue ao longo da próxima semana (até 10 de Dezembro) a Campanha “Ajuda Vale”. Para contribuir para esta campanha, que tem como lema “uma ajuda que não pesa mas vale”, basta pedir um vale com um código de barras específico para poder doar produtos ao Banco Alimentar nas caixas dos supermercados ou das gasolineiras da BP, que aderiram a esta acção de solidariedade transformando os seus colaboradores em voluntários pela causa da luta contra a fome.

O Banco Alimentar disponibiliza ainda uma plataforma electrónica em www.alimentestaideia.pt para doação de alimentos pela Internet, que permite a participação na campanha de pessoas que habitualmente não se deslocam ao supermercado ou que residam fora de Portugal, nomeadamenteos emigrantes.