Presidente do Governo Regional diz que charter “é uma boa solução”

07 Dez 2017 / 14:17 H.

Miguel Albuquerque admite que o “expediente” encontrado “para minimizar os problemas” das viagens dos estudantes madeirenses na quadra de Natal e Fim de Ano “não é a solução ideal”: “Mas é a solução que tentamos encontrar face aos constrangimentos que temos nesta época”, justificou esta manhã, durante a visita feita à Ribeira Brava.

Recorde-se que o DIÁRIO faz manchete esta quinta-feira com o facto de a TAP e o GR terem feito um acordo que garante voo extra a 20 de Dezembro, com regresso a Lisboa a 1 de Janeiro, para estudantes da Madeira, comercializado ao valor do subsídio de mobilidade, ou seja, 65 euros.

Miguel Albuquerqie sustentou que o voo charter com prioridade para estudantes e ao preço da respectiva tarifa (65 euros) resulta do esforço feito pelo GR perante as dificuldades incomportáveis que se colocavam a estudantes e respectivas famílias, para concluir que “é uma boa solução”.

Contudo, “a solução ideal” seria “a questão do subsídio de mobilidade já tivesse regulamentada” como esperava que viesse a acontecer logo após os seis meses de fase experimental, responsabilizando Lisboa de andar a “empurrar esta questão com a barriga meses e meses”.

Relativamente a esta medida de recurso, “a ideia é nunca mais repetir este modelo”, afirmou Miguel Albuquerque, que justificou esta solução já muito em cima da ‘Festa’ por causa das “negociações” que este voo especial implicou.

Recusou revelar o custo deste charter, mas deixou a garantia que “o Governo não vai interferir na história das vendas”, aconselhando os interessados a serem céleres na reserva das viagens de acordo com a programação da transportadora nacional.