CMF apresentou projecto ‘ReCriando Lares’ ao Conselho Municipal para a Igualdade

26 Jan 2018 / 17:25 H.

A Câmara Municipal do Funchal promoveu, esta sexta-feira, uma visita ao bairro social municipal da Quinta Josefina, para dar a conhecer ao Conselho Municipal para a Igualdade o projecto ‘ReCriando Lares’. O vice-presidente da CMF, Miguel Silva Gouveia, a Vereadora Madalena Nunes, que tem os pelouros do Desenvolvimento Social e da Igualdade de Género no Município, e a Conselheira Municipal para a Igualdade, Guida Vieira, levaram, assim, as associações representadas no Conselho Municipal para a Igualdade a acompanhar uma das sessões de trabalho do ‘ReCriando Lares’.

Madalena Nunes destaca “este projecto de intervenção social da autarquia, que tem por objectivo ajudar famílias com dificuldades de bairros sociais da Câmara a adquirir competências relacionadas com a gestão doméstica e familiar, e que tem sido muito bem acolhido por toda a população envolvida. Os resultados têm sido bastante recompensadores para os nossos utentes, mas igualmente para toda a equipa camarária que está no terreno.”

A autarca reforça que o projecto, que começou em 2016/2017, e se encontra actualmente na sua segunda edição, “tem tido um carácter transformador muito grande” e acrescenta que “durante os meses que já compuseram esta formação, foram visíveis as alterações alcançadas, principalmente a nível comportamental, quer no enquadramento social, quer na aplicação prática dos conhecimentos adquiridos.”

A vereadora enaltece que “as famílias participantes neste projecto revelaram grande interesse, verificando-se que a vontade de desconstruir crenças em relação ao estigma social, e a crescente autovalorizarão, foram uma constante no grupo, ao longo da formação. Os utentes da 1ª edição aceitaram mesmo ser tutores dos formandos envolvidos nesta 2ª edição, o que deixa bem patente a entrega de todos e o reconhecimento do projecto como uma mais-valia para a comunidade.”

Madalena Nunes explica que face à necessidade de apoiar as famílias com parcos recursos, e que já dependem da Autarquia em termos de habitação social, “a CMF pensou num projecto de intervenção comunitária que fosse ao encontro das suas reais carências. É de salientar que este é um projecto com base na educação não formal, que pretende promover competências psicossociais, parentais e tudo o que envolve uma dinâmica familiar”, sublinha Madalena Nunes.

“É, igualmente, mais uma face do trabalho social profundo levado a cabo pela Autarquia, tendo neste caso uma grande riqueza pedagógica e prática, por permitir às famílias adquirir hábitos, ferramentas e noções que vão fazer toda a diferença no seu dia-a-dia, em áreas tão diversas como a nutrição, a educação parental ou a gestão do orçamento familiar.” O Centro Comunitário da Quinta Josefina passou a ser, para o efeito, “uma verdadeira casa de formação”, tendo esta uma duração de oito meses. Os primeiros seis meses são de componente teórico-prática e os dois restantes para acompanhamento individualizado das famílias apoiadas neste projecto.