Plano para reduzir área ardida a metade até 2030 apresentado em Lisboa

06 Dez 2019 / 01:03 H.

O Governo apresentou esta quinta-feira um plano para reduzir para metade a área ardida nos fogos rurais até 2030, com um investimento previsto de 554 milhões de euros por ano e contemplando a possibilidade de arrendamento coercivo.

O plano, apresentado pelos ministros do Ambiente e da Acção Climática e da Administração Interna, tem como um dos objectivos a acção em 20% da área rural do país e os territórios a serem transformados podem ser os que tenham sofrido grandes incêndios, explicou o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, admitindo que possa haver uma “intervenção musculada” em alguns casos.

O arrendamento coercivo “não é contra ninguém”, ressalvou o ministro, dizendo também que é preciso “dar valor ao espaço rural” e que a capacidade de a floresta portuguesa absorver dióxido de carbono tem de crescer 30%.

“Habituamo-nos a olhar para a floresta a partir do tronco, mas temos de saber agora olhar a floresta a partir da copa”, onde é absorvido o dióxido de carbono, disse.

Matos Fernandes lembrou ainda que 70% do país é território de baixa densidade e que “todos os territórios de baixa densidade têm de viver com mais rendimento” sendo que esse é um dos objectivos do plano hoje apresentado.

O plano está em consulta pública durante 60 dias, a partir de hoje.