Greta Thunberg já chegou a Portugal

Lisboa /
03 Dez 2019 / 12:58 H.

Greta Thunberg, acaba de chegar a Portugal, após atravessar o Atlântico em catamarã. À espera da activista sueca estão dezenas de pessoas de todas as idades e um batalhão de jornalistas, muitos deles de órgãos de comunicação social espanhóis.

Muitos jovens vestem t-shirts brancas com a inscrição “Justiça Climática” e empunham cartazes. No meio, uma criança, de mão dada com a mãe, exibe orgulhosamente um cartaz com frases “I´m with her” (Estou com ela), acompanhada de um desenho do planeta Terra.

Destacam-se também na Doca de Santo Amaro duas faixas de pano brancas, com as frases “Low Cost today, High cost tomorrow” (Baixo custo hoje, alto custo amanhã), “Terra - Aterra, menos aviões mais imaginação”.

Entre os que aguardam Greta Thunberg está o presidente da Comissão Parlamentar do Ambiente, José Maria Cardoso, que espera poder deixar uma mensagem de reconhecimento à jovem ativista sueca pelo trabalho que tem feito “e pela luta que tem travado”.

Em declarações à agência Lusa, José Maria Cardoso destacou, acima de tudo, “o símbolo que ela [Greta] é de mobilização de milhões de jovens pelo mundo fora que querem fazer ouvir a sua voz e que querem mostrar o seu lado reivindicativo”.

“Sem dúvida é esta geração que mais vai sofrer com as alterações climáticas, caso não haja reversão da situação”, afirmou o parlamentar, acrescentando: “Ela, como símbolo desta contestação, serve de exemplo para muitos jovens”.

Também o líder do PAN, André Silva, quis marcar presença na receção à ativista sueca como forma de agradecimento por tudo o que tem feito em defesa do planeta.

“Ela tem sido fundamental para dar voz a este movimento que é cada vez maior, associado a um aumento e alargamento de consciências em torno do combate das nossas vidas, que são as alterações climáticas”, disse à Lusa o líder do PAN.

André Silva afirmou ainda que quer deixar a Greta Thunberg “uma palavra de coragem e agradecimento, para que continue a desempenhar este papel fundamental de trazer cada vez mais pessoas e pressionar uma classe política parada, inerte e que está presa à economia velha do passado, à economia do carbono e, acima de tudo, capturada por interesses económicos que não querem alterar”.

“É fundamental agir porque temos uma década até atingir um ponto de não retorno”, acrescentou.

A representar o movimento “Ação Greve Climática Estudantil”, Andreia Galvão afirmou à Lusa que esta ação [a greve climática estudantil], lançada por Greta Thunberg, tem sido fundamental para dar visibilidade aos problemas ambientais.

Andreia Galvão, que também pertence ao movimento “Figther for Future”, diz que é igualmente necessário perceber se o novo Governo vai ou não acrescentar algo à luta contra as alterações climáticas.

“Estamos num momento um pouco difícil pela luta pela emergência climática. (...) É importante que os jovens estejam empenhados na política e que façam erguer a sua voz na luta por esta causa”, considerou a ativista, salientando que este é um movimento transversal que deve envolver todas as pessoas.

Junto à Doca de Santo Amaro são igualmente visíveis diversas faixas brancas de pano no chão, presas com pedras. Numa delas pode ler-se a frase “Somos a Natureza, Greve Climática global em Autodefesa” e noutra “A verdadeira COP é na rua”.

Greta Thunberg partirá ainda hoje para Madrid, para participar na Cimeira do Clima da ONU.