Genéricos fazem Estado e famílias poupar, mas farmácias falam em perdas

Descida do IVA na electricidade e gás, reorganização das freguesias e as eleições em Espanha são alguns dos temas hoje em destaque na imprensa nacional

24 Abr 2019 / 09:21 H.

As capas dos jornais são hoje diversas nas temáticas com o Público a escrever que o Estado pagou 19,4 milhões de euros às farmácias para venderem genéricos. A Associação Nacional de Farmácias diz que incentivos são insuficientes e refere perdas de 52 milhões. Nas contas do matutino, o Serviço nacional de Saúde e as famílias terão poupado 825 milhões. Neste matutino ainda as eleições em Espanha, a possibilidade de Portugal adoptar a vacina contra a Pneumonia para os maiores de 65 anos.

Uma proposta de lei prevê a agregação das autarquias menos povoadas na próxima década. A notícia maior do JN diz que só as freguesias com mais de mil eleitores podem voltar a ser independentes. O matutino a puxar também pelas listas de espera. Doentes esperam anos por consultas, escreve, incluindo casos oncológicos.

A imagem em grande plano vai para a petição online para o fecho dos centros comerciais aos domingos, que conta com 40 mil subscritores.

Berardo condenado a pagar dívida à caixa, escreve o Correio da Manhã numa das pequenas chamadas. As gordas da primeira vão para o caso dos emails do futebol. “Benfica reúne provas contra FC Porto”, podemos ler, acrescentando o jornal que um vídeo comprometedor já está em tribunal.

O Diário de Notícias faz manchete do braço-de-ferro entre Trump e o Irão, que faz subir os preços dos combustíveis em Portugal. O matutino acrescenta que o preço do gasóleo pode chegar a 1,5 euros e que os aumentos vieram para ficar. A foto maior é para as eleições que se aproximam em Espanha e nas chamadas menores o 25 de Abril. Em destaque ainda os quase cem golos do Benfica.

No i, o destaque vai para a manifestação contra o aeroporto na Portela, com o activista que interrompeu o Primeiro-Ministro a dizer que foi agredido. As contas das Europeias contemplam 1,3 milhões em cartazes e brindes. Ainda nas maiores, Rui Mão de Ferro contraria tese de ‘autor’ do livro de Sócrates.

No Negócios a informação de que os portugueses pagaram a quinta maior factura com a banca. A manchete é “BES reclama 273 milhões a ex-accionistas do BESA”. Nesta primeira há espaço para o Ministério que manda investigar a Ordem dos Enfermeiros.

Nas revistas, antecipadas pelo feriados, pode ficar a saber onde encontrar casas em conta, tema maior da Visão, com destaque para Lisboa e Porto; e sobre o regresso dos ricos a Portugal na Sábado.

Na Bola, “Lage de pedra e cal”, com Vieira a garantir que o actual treinador vai continuar na próxima época, seja ou não o Benfica campeão. No jornal O Jogo outro presidente. Pinto da Costa e a manchete “Porto Cresce em 2019”, com referência à Academia que arranca ainda este ano.

João Félix faz capa no Record. Com as maiores “Missão Impossível”, o desportivo faz referência à quase certa saída do jovem benfiquista de 19 anos. Manchester United e City cada vez mais dispostos a pagar a cláusula de 120 milhões para ter o 5.º melhor marcador da Liga.