O CDS não é o PSD!

17 Mai 2019 / 02:00 H.

Quase 43 anos se passaram desde que se constituíram, formalmente, por via constitucional, as autonomias regionais da Madeira e dos Açores.

Desde que se realizaram as primeiras eleições para o parlamento regional, nunca na Madeira outro partido, senão o PSD, governou esta terra. Ao longo de quase este meio século de democracia e de Autonomia os madeirenses só foram governados por um partido que usou a sua maioria absoluta para impor o poder absoluto em praticamente todas as instituições regionais. Ao longo de dezenas de anos, quer nas associações, nas casas do povo, nas instituições solidárias, nos clubes desportivos, tudo foi dirigido por alguém que, obrigatoriamente, era titular do cartão laranja! Porventura, somos a única Região, com poderes próprios, que nunca teve a oportunidade de ser governada por outro partido da oposição! Na Europa, a tendência desde há muitos anos, é que, tanto os países como as suas respectivas regiões, sejam governados por coligações multipartidárias! Aqui na Madeira o poder executivo continuou sempre nas mãos de um partido, o PSD!

Esse tempo da intolerância, da soberba e do princípio inquestionável da autoridade, pode e deve ter um fim no dia 22 de Setembro!

O CDS esteve durante estes quase 43 anos sempre na trincheira da oposição, apresentado centenas de iniciativas legislativas que melhorariam as condições de vida das populações; quase todas elas foram sistematicamente recusadas! Algumas, as mais actuais, tendo em conta o ano eleitoral que é crucial para o PSD, foram incluídas no orçamento regional, nomeadamente, a proposta do CDS para reduzir os passes sociais para os 30 euros no Funchal e 40 euros fora da capital da Madeira. Foi ainda neste orçamento para 2019 que conseguimos reduzir o IRC para os 13%. Mas foram precisos mais de 40 anos para que o PSD aceitasse incluir propostas da oposição num orçamento regional! Vem tarde? Veremos! O CDS tem memória! O povo decidiu que nós fossemos o maior partido da oposição ao longo das últimas duas legislaturas. Em Setembro a nossa responsabilidade é continuarmos por este caminho da alternativa ao PSD e ao PS! A Madeira não poderá, após Setembro, continuar a ser governada por um só partido, sob pena de tudo continuar na mesma e as condições de vida da população piorarem!

Somos actualmente uma das Regiões da Europa com menor rendimento per capita! Pelos dados do INE, cada madeirense recebe menos 1.000 euros que a média dos que vivem no continente; temos 80.000 pessoas em risco de pobreza que vivem com apenas um I.A.S ou seja 435 euros; temos a segunda maior taxa de desemprego do país e ainda diz o PSD que a economia da Região cresce há 68 meses! Cresce, mas em toneladas de betão e sacos de cimento, pois as famílias continuam sem poder de compra, vivendo em condições sociais e económicas muito difíceis! Não contem com o CDS para branquear tudo que de mal se fez e continua a fazer na Saúde, na Educação, na Agricultura etc.! O CDS é uma alternativa a esta governação que continua subordinada aos interesses dos lobbies do betão, orientando as prioridades da Região para as obras públicas, algumas de duvidosa utilidade, enquanto as populações continuam sem acesso a uma saúde digna, pagam cada vez mais impostos indirectos, têm menos dinheiro disponível, são obrigadas a sair da Região, pois não encontram empregos que lhes dêem dignidade! As pessoas precisam de alternativas, mas essas não lhes serão dadas, certamente, com mais uma maioria absoluta de qualquer partido!

António Lopes da Fonseca
Outras Notícias