Reino Unido enfrenta “tarefa hercúlea” para comprar material de protecção

10 Abr 2020 / 18:55 H.

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, qualificou hoje de “tarefa hercúlea” a dificuldade em adquirir material de protecção para os funcionários de saúde envolvidos no combate à pandemia de covid-19 no Reino Unido.

“Há uma enorme procura internacional por PPE [Equipamento de Proteção Pessoal] e uma contracção global na oferta. Além disso, alguns países impuseram proibições à exportação e outras restrições ao PPE, à medida que procuram garantir as próprias necessidades nacionais”, justificou

O ministro respondia a um crescente número de queixas de profissionais de saúde da falta de material, nomeadamente batas, luvas, viseiras ou máscaras, tendo reconhecido estar a ter dificuldade em obter este tipo de equipamento, que deve ser racionado.

“Existe PPE suficiente para ser utilizado, mas apenas se for usado de acordo com as nossas orientações. Precisamos que todos tratem o PPE como o recurso precioso que ele é. Isso significa usá-lo apenas quando houver uma necessidade clínica”, vincou.

A dependência do estrangeiro nesta área levou o governo britânico a mobilizar fornecedores nacionais, tendo a marca de roupa Burberry começado a produzir batas, as construtoras de automóveis Rolls-Royce e McLaren a produzir viseiras e a destilaria Diageo a produzir desinfectante antibacteriano.

Hancock disse que até agora foram distribuídas cerca de 742 milhões de peças de PPE, mas que o número de locais com necessidade passou de 233 hospitais anteriormente para 58.000 unidades de cuidados de saúde actualmente, pelo que foi preciso recorrer ao exército para ajudar na distribuição.