Jovem venezuelano matou padre católico de quem terá sido vítima de abuso sexual

22 Jan 2020 / 23:05 H.

Um jovem de 17 anos que confessou ter assassinado um sacerdote católico, de quem seria vítima de abuso sexual há três anos, foi detido, anunciaram hoje as autoridades venezuelanas.

O anúncio foi feito pelo ministro venezuelano da Defesa, Néstor Reverol, durante uma reunião com a direção do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (antiga Polícia Técnica Judiciária), em Caracas, capital da Venezuela.

“O jovem convocou o sacerdote para um lugar (arborizado) e estrangulou-o dentro da sua viatura”, explicou o ministro, precisando que o menor confessou o crime e que “as investigações vão seguir o seu curso”.

O homicídio terá ocorrido em 16 de janeiro e o padre Jesús Manuel Rondón Molina foi encontrado morto na terça-feira, numa estrada de Junín, no estado venezuelano de Táchira (840 quilómetros a sudoeste de Caracas), depois de ter sido dado como desaparecido.

“O adolescente disse que o religioso abusava constantemente dele e ninguém se dava conta, porque era uma pessoa próxima da família”, adiantou o governante.

Segundo Nestor Reverol, o sacerdote terá ameaçado “abusar sexualmente do irmão (da vítima) que tem menos de 10 anos”.

O ministro disse ainda haver na Venezuela suspeitos de “pedofilia que atuam sob a cumplicidade de algumas autoridades eclesiásticas” e instou as autoridades da Igreja a prestar mais atenção ao que acontece nos templos.