Conselho Europeu termina em Bruxelas com atenções em Londres

13 Dez 2019 / 08:45 H.

Os chefes de Estado e de Governo da UE concluem hoje uma cimeira de dois dias em Bruxelas com as atenções viradas para Londres, com os 27 a discutir o ‘Brexit’ já com os resultados das eleições no Reino Unido.

A projeção de resultados das três televisões britânicas divulgada logo após o fecho das urnas, na quinta-feira, apontava para uma maioria absoluta para os Conservadores do primeiro-ministro, Boris Johnson.

Numa cimeira sem a presença do primeiro-ministro britânico, que pediu ao presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, para o representar, os 27 vão debater o processo de saída do Reino Unido da UE, já com uma ideia mais clara se o mesmo se concretizará efectivamente até 31 de Janeiro (a nova data indicativa para a concretização do ‘Brexit’), em função dos resultados das eleições legislativas.

Na quarta-feira, Charles Michel comentou, a propósito da discussão de hoje, também centrada nas relações futuras com o Reino Unido enquanto país terceiro, que, independentemente do desfecho das eleições, a mensagem da UE a 27 deverá permanecer a mesma, e “muito clara”.

“Veremos qual é o resultado destas eleições, mas a nossa mensagem é muito clara: estamos prontos e comprometidos a manter a unidade entre os 27, e estamos também prontos para os próximos passos. Será muito importante ter uma cooperação forte no futuro com este país importante para nós”, declarou.

Antes da reunião no chamado ‘formato artigo 50.º’, haverá lugar, a partir das 10 horas locais (09 horas em Lisboa), a uma cimeira do euro, na qual o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, dará conta aos líderes dos progressos realizados no aprofundamento da União Económica e Monetária.

Com várias questões ainda em aberto nas diversas frentes, incluindo o instrumento orçamental para a competitividade e convergência na zona euro, os chefes de Estado e de Governo limitar-se-ão a pedir ao fórum de ministros das Finanças da zona euro que acelere os trabalhos, devendo voltar à questão em junho de 2020.