Vem aí a terceira aplicação de mobilidade urbana para a Madeira

29 Nov 2019 / 17:37 H.

No espaço de três meses a Madeira passará a ter três aplicações de mobilidade urbana. Primeiro chegou a ‘Taxiin’, depois veio a Uber e agora, dentro de duas semanas, irá arrancar uma outra, exclusivamente destinada aos motoristas de táxi. Ainda não se sabe o nome, mas a aplicação já opera no mercado nacional e será ‘importada’ para a Região pela Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas, organização que chega à ilha para representar a classe em moldes semelhantes à Associação dos Industriais de Taxi da Região Autónoma da Madeira (AITRAM).

“O objectivo é ajudar estes homens, visto que existe uma desorganização bastante grande no sector dos táxis. A Confederação já existe há 33 anos, a nível nacional, e estes homens, ao saber da nossa existência, vieram ter connosco para pedir uma ajuda. Já estivemos reunidos com um grupo parlamentar, na semana passada, para pedir a baixa do combustível rodoviário, visto que aqui os quilómetros são menores, mas há desgaste nas viatura, devido às subidas e descidas”, isto para além do consumo “que é maior” face àquilo que é a realidade dos taxistas que operam em solo continental, mencionou o director da Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas, Paulo Azevedo.

“Se permitirmos que mais empresas como a Uber entrem na Região, como é que os taxistas vão sobreviver? Estamos a falar de cerca de 1.600 taxistas”, acrescentou Paulo Azevedo, que irá lutar “por melhores condições de trabalho” e “não deixar que o desemprego aumente” na classe.