PTP preocupado com estratégia do GR para as ‘altas problemáticas’

09 Dez 2019 / 11:38 H.

Num comunicado, assinado por Edgar Silva (coordenador área saúde do PTP), dirigido hoje à imprensa, o Partido Trabalhista afirma-se “vigilante” e “preocupado” com a estratégia do Governo Regional para Saúde, nomeadamente no que diz respeito à “institucionalização forçada” de cidadãos em condição de alta problemática.

Estratégia esta que o PTP classifica “de puro e doentio mercantilismo”, acusando o Governo Regional fazer “vista grossa” enquanto há “pessoas abandonadas em unidades hospitalares por familiares, aos quais urge aplicar legislação existente, e outra de protecção do idoso, do seu património e da sua dignidade como pessoa e cidadão de plenos direitos”.

No entender dos trabalhistas, “a opção por entregar a privados os utentes ‘à sua guarda’, que permanecem em hospitais públicos”, acontece “precisamente por este mesmo Governo Regional e o seu SRS, na sua linha assistencial, falhar completamente nos serviços de saúde que deveria prestar nos domicílios destes utentes, de acordo, com uma estratégia transversal e colaborativa, desenvolvida entre parceiros sociais, o poder local, cuidadores informais e as famílias”.

“São assim o filão de ouro, para um negócio de mais de 40 M€/ano, o que claramente orienta a estratégia deste Governo Regional para uma estratégia adequada aos interesses da privada, em detrimento dos interesses e vontades do utente, que em 90% dos casos manifesta vontade em voltar ao seu domicílio”, insiste Edgar Silva.

Por outro lado, aponta para a necessidade da gestão e administração dos lares e ‘Nursing Homes’ ser entregue a enfermeiros, à semelhança do que acontece noutros países europeus.

“Carecemos de legislação, que a isto obrigue, e o PTP, tudo fará, para que isto seja uma realidade, apelamos a todos os parceiros políticos para que se juntem a nós nesta luta”, remata.