PS-M pede demissão do secretário da Saúde e dos elementos do conselho de administração do SESARAM

20 Fev 2019 / 15:45 H.

O secretário-geral do Partido Socialista-Madeira reagiu, esta tarde, à polémica que envolve a Unidade de Medicina Nuclear do SESARAM, que foi tema de uma reportagem transmitida ontem na TVI, tendo exigido a demissão do secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, bem como de todos os elementos do conselho de administração do SESARAM.

Em conferência de imprensa, João Pedro Vieira começou por referir que os madeirenses e porto-santenses foram, ontem, novamente confrontados com mais uma dura realidade sobre aquele que é o regime que governa a Madeira há 43 anos, “um governo que abandonou há muito tempo aquele que é o seu principal desígnio, que é defender os interesses dos madeirenses e porto-santenses”.

“Já todos sabíamos que a Saúde na Madeira está um caos, mas, ontem, ficámos a saber que, alegadamente, interesses privados se sobrepõem ao interesse público, com um resultado direto negativo na vida das pessoas”, afirmou o secretário-geral socialista, advertindo que “a vida das pessoas não é uma negociata” e “não pode ser suspensa”.

Segundo João Pedro Vieira, “não podemos permitir-nos a continuar a ter equipamentos de saúde, médicos e terapeutas disponíveis para ajudar as pessoas, para tratar da saúde das pessoas, e depois, de forma lesiva para as pessoas e para o erário público, continuarmos, de forma perniciosa, a ceder a outros interesses”. Tal como referiu, esta é mais uma prova de que o Governo Regional falha deliberadamente naquela que é a sua principal missão de defender os interesses dos madeirenses e porto-santenses. “Falha na gestão do erário público, falha no cuidado que devia prestar às pessoas, falha na proteção das pessoas e falha, acima de tudo, num ponto transversal a todo o Governo: competência», sustentou.

De acordo com João Pedro Vieira, «este escândalo junta-se a muitos outros que são sintomáticos da profunda incompetência do Governo Regional, como são os mais de 40 mil cidadãos madeirenses e porto-santenses que aguardam por uma consulta hospitalar, como são os mais de 20 mil madeirenses que aguardam por uma cirurgia, ou como é o corte de mais de 12 milhões de euros nos centros de saúde”.

Neste sentido, disse que o Partido Socialista-Madeira exige neste momento “o total, cabal e imediato esclarecimento de todas as questões, bem como que existam consequências para estes actos de governação lesiva para a nossa Região”.

Referindo que Pedro Ramos não esclareceu todas as dúvidas que foram ontem suscitadas, João Pedro Vieira considerou que “o senhor secretário regional da Saúde deve, por isso mesmo, de imediato, colocar o seu lugar à disposição perante este escândalo que a todos nós deve envergonhar e a si em particular”, e que “todos os elementos do Conselho de Administração do SESARAM devem acompanhá-lo nessa decisão”. “Mais: entendemos que todos os responsáveis por estes actos de gestão devem pedir desculpa às pessoas, o que ainda não fizeram”, acrescentou.

João Pedro Vieira adiantou que o PS-Madeira exigirá também que o Governo Regional preste todos os esclarecimentos no Parlamento. “Por isso mesmo, teremos um debate potestativo convocado pelo PS para discutir a Saúde já na próxima semana, no dia 28, e avançaremos com uma Comissão de Inquérito Parlamentar que clarifique todas as questões relativas a esta matéria”, vincou.

O secretário-geral do PS-M recordou ainda o facto de o presidente do Governo Regional ter dito, recentemente, em entrevista à RTP-Madeira, que o Sistema Regional de Saúde era um motivo de orgulho para todos. “Senhor presidente, 60 mil pessoas em lista de espera, uma negociata que foi ontem tornada pública e todos aqueles que esperam para ter acesso a cuidados de saúde não são motivo de orgulho, são motivo de vergonha e a prova de que temos um regime falhado e em fim de linha”, concluiu.

...............................................................................................................................................

Outras Notícias