Motorista só trabalhou 8 horas, garante a empresa, que mostra folha de horários

22 Abr 2019 / 00:02 H.

Uma fonte oficial da Sociedade de Automóveis da Madeira (SAM) garantiu, esta noite, que o condutor do autocarro só trabalhou 8 horas, tanto no dia do acidente no Caniço como no dia anterior, desmentindo, assim, a denúncia feita hoje na SIC pelo coordenador do Sindicato Nacional dos Motoristas, que disse que o profissional já estava ao serviço há 13 horas no momento do despiste. O DIÁRIO teve acesso à folha de trabalho do condutor José Guilherme Sousa, que confirma que efectivamente o motorista só trabalhou 8 horas em cada um daqueles dois dias.

Fonte oficial da empresa assegurou que “é completamente falsa a informação que foi transmitida pelo sindicalista” Manuel Oliveira, cuja acusação causou estranheza junto da empresa, “desde logo porque o sindicato em causa não tem qualquer filiado na SAM”. “É uma tentativa de protagonismo a todos os níveis lamentável pois quer aproveitar-se de uma tragédia que a todos toca. A empresa continua a pedir que haja serenidade até ao apuramento final da verdade e numa política de transparência disponibiliza a folha de horas do motorista em causa, para que se saiba que trabalhou 8 horas, tanto no dia anterior como no dia do acidente”, adiantou o mesmo representante da empresa de autocarros, que admite recorrer a “todos os mecanismos legais contra quem profere estas falsidades”.

Outras Notícias