Mais Porto Santo congratula-se com demissão em bloco do PSD e diz que “só falta um pedido de desculpa”

11 Out 2019 / 17:45 H.

O Mais Porto Santo congratula-se com o pedido de demissão apresentado pela concelhia do PSD-Madeira no Porto Santo, na sequência dos confrangedores resultados obtidos nas eleições regionais e nas legislativas nacionais, ainda que lamente a “atitude indigna de alguns iluminados sociais-democratas” que procuraram justificar o “insucesso nas urnas” pelo facto do Mais Porto Santo ter manifestado apoio ao Governo Regional da Madeira nas eleições internas e de ter feito campanha eleitoral ao lado do secretário regional da Saúde, Pedro Ramos.

“O PSD-Madeira obteve nas eleições regionais um dos piores resultados de sempre no Porto Santo e ainda conseguiu piorar a votação nas legislativas do último domingo. Como era expectável, alguns sociais-democratas, que tinham importantes cargos na concelhia, procuraram arranjar desculpas de mau pagador, atribuindo responsabilidades ao nosso movimento pelo fracasso, o que não dignifica o partido”, vinca José António Castro, líder do Mais Porto Santo, que recusa ser “bode expiatório para as derrotas estrondosas que o PSD-Madeira averbou no Porto Santo no espaço de quinze dias”.

“Nas eleições regionais, tivemos a oportunidade e o grato prazer de contactar a população do Porto Santo lado do senhor Secretário Regional da Saúde. Bem sabemos que esta aposta não foi bem aceite por vários elementos da concelhia social-democrata, que procurou envenenar a opinião pública, atribuindo o desastre eleitoral ao Mais Porto Santo. Porque nos sentimos lesados e ofendidos, também por uma questão de uma honra e dignidade, decidimos não participar na campanha para as legislativas para não nos acusarem de eventuais responsabilidades. Felizmente, comprovou-se no domingo que o problema não é o nosso movimento mas da inércia de um partido que está ferido de morte no Porto Santo, por causa da apatia da concelhia, que raramente contactou a população e a procurou acudir”, acusa José António Castro, para quem o pedido de demissão apresentado pelo presidente da concelhia era a única saída e, de alguma forma, uma certeza.

“Falta, no entanto, apresentar um pedido de desculpas público à população, pelo marasmo, letargia e incapacidade de defender e explicar o projeto que o Governo Regional da Madeira tem para a nossa Ilha”, defende o Vereador, garantindo, a finalizar que o “Mais Porto Santo continuará a trilhar o seu caminho, sempre em defesa dos porto-santenses, apoiando medidas que valorizem e façam crescer o Porto Santo, como também chumbando e criticando ideias e projectos que entendamos como prejudiciais para o futuro de todos nós. Sempre com independência”, promete.