CDU diz que Dia da Mulher “tem de levar a transformações profundas”

07 Mar 2019 / 17:40 H.

Foi com uma tribuna pública, junto ao Mercado dos Lavradores, no Funchal, que a CDU assinalou hoje o Dia Internacional da Mulher, data que se comemora amanhã, 8 de Março.

Ana Carolina Cardoso salientou que, mais do que barómetro das desigualdades entre géneros, mais do que marco anual de palavras bonitas para com as mulheres, este dia “tem de levar a transformações profundas na defesa dos direitos de todas as mulheres”.

Segundo a dirigente comunista, não basta falar neste dia e esquecer os direitos femininos ainda por cumprir todos os outros dias do ano.

“Não precisamos de votos de saudação vazios, precisamos de propostas concretas que levem à efectivação dos nossos direitos enquanto mulheres, mães e trabalhadoras”, salientou, frisando a necessidade de garantir a igualdade salarial entre mulheres e homens, valorizar os salários de todos os trabalhadores, reduzir o horário de trabalho para as 35 horas semanais, fazer cumprir os direitos de maternidade e paternidade, com a garantia de pagamento de 100% de todas as licença e reduzir para os 65 anos a idade de reforma, garantindo uma pensão digna e o direito à reforma sem penalizações com 40 anos de descontos para a segurança social.

Outras Notícias