Calado quer estreitar relações comerciais com o Brasil

01 Abr 2019 / 16:52 H.

O vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, reuniu-se, nesta manhã de 1 de Abril, com o cônsul-geral de Portugal em São Paulo, Paulo Nascimento, num encontro de trabalho que juntou também o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal, Luís Lima, bem como alguns ‘players’ madeirenses da área económica.

No encontro, que decorreu no Consulado de Portugal, em São Paulo, foram retratadas as principais performances económicas do Brasil e Portugal, bem como áreas de potencial interesse para investir de parte a parte, perspectivando-se uma melhoria nas relações económicas entre os dois países.

Esta é, conforme foi referido pelo vice-presidente do Governo Regional, “uma boa oportunidade para Portugal e para a Região poderem reforçar os laços comerciais, gerando uma dinâmica económica importante e com benefícios para as duas economias”.

Algumas dessas áreas com potencial para a Madeira são, por exemplo, o sector do turismo, onde, segundo Pedro Calado, “há espaço para que ele possa crescer ainda mais no futuro”, mas também o Centro Internacional de Negócios da Madeira, os ‘Vistos Gold’, assim como o mercado imobiliário, que tem vindo a registar um crescimento considerável.

Além disso, Pedro Calado lembrou também o investimento de 13 milhões de euros que está a ser feito pelo Governo Regional, através da Empresa Electricidade da Madeira, para uma ligação ao novo cabo de fibra óptica que vai conectar o Brasil e Sines e que deverá ter uma derivação à Região, melhorando, assim, as ligações e telecomunicações com aquele país.

Outra das áreas que poderá ter grande interesse para a Região seria a possibilidade de se estabelecerem parcerias com a Universidade da Madeira e que permitissem o ingresso de estudantes das áreas das engenharias e tecnologias, bem como na área da informatização.

Pedro Calado aproveitou esta oportunidade para também lançar um repto à Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) em São Paulo de também envolver as entidades regionais da Madeira nas acções que venham a desenvolver no Brasil, dadas as potencialidades deste mercado.