BE considera “deprimente” a luta pelos “tachos” no SESARAM

18 Jan 2020 / 14:52 H.

“O SESARAM tem sido palco de um espectáculo deprimente, de disputa de tachos, oferecido à população pelo novo Governo Regional, que afinal e apesar da entrada do CDS, não tem nada de novo”.

Segundo o Bloco de Esquerda (BE), a luta pelos tachos na estrutura do SESARAM tem sido a “única preocupação” demonstrada pelos dois partidos do Governo.

“O Governo quer mandar onde não deve, na direção clínica, na direcção de enfermagem, em toda a estrutura, passando por cima da administração e das chefias. E faz isso, não para que o serviço de Saúde funcionem melhor, mas para controlar e colocar nos lugares os seus boys - as pessoas da sua confiança pessoal e política - e não as mais capazes”, acusam os bloquistas através de comunicado, recordando que o diretor clinico não tem como função “fazer política nem tem de ser da confiança do Governo”. Deve sim “merecer a confiança dos médicos” e “ser eleito pelos seus pares”.

O BE vai mais longe e firma que este quadro de “intromissão” repete-se em todas as áreas do Governo a reflecte a “cultura do quero posso e mando, anti-democrática”, aconselhando o governo a “meter menos o bedelho e respeitar mais a autonomia dos profissionais e dar-lhes os meios necessários para as suas funções”.

Segundo os bloquistas, o espectáculo da disputa dos tachos é “mais deprimente” quando se fala das listas de espera, do surto de gripe B ou quando há gente a morrer por falta de resposta do serviço público e não tem recursos para ir ao privado, como é exemplo a medicina dentária.

Alertam que governar é “resolver os problemas da população”, acusando o Governo de “apenas governa-se” e deixar os problemas da população para o final das prioridades.