País

CDS-PP reúne Conselho Nacional na sexta-feira para definir linhas programáticas

Foto: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA
Foto: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O CDS-PP vai reunir sexta-feira o Conselho Nacional para definir as linhas do programa eleitoral que vai apresentar às eleições legislativas de janeiro, bem como tomar posição sobre uma eventual coligação com o PSD na Madeira.

Esta reunião extraordinária do órgão máximo do CDS-PP entre congressos, marcada "com caráter de urgência", deverá começar pelas 21:00, e vai decorrer por videoconferência.

Em cima da mesa vão estar as eleições legislativas de 30 de janeiro do próximo ano.

De acordo com a convocatória enviada aos conselheiros, e à qual a Lusa teve acesso, da ordem de trabalhos da reunião consta a discussão de uma eventual coligação com o PSD no círculo eleitoral da Madeira, a aprovação dos "critérios de designação dos candidatos" para as legislativas e ainda a "discussão das linhas programáticas do CDS-PP a apresentar" nas eleições.

A convocatória assinada pelo presidente do Conselho Nacional, Filipe Anacoreta Correia, justifica que "a urgência da convocatória resulta da necessidade de aprovar a coligação proposta pelos órgãos regionais da Madeira, bem como dar início ao processo de designação dos candidatos a deputados".

O Presidente da República convocou eleições legislativas antecipadas para 30 janeiro de 2022 na sequência do "chumbo" do Orçamento do Estado do próximo ano, no parlamento, em 27 de outubro.

O Orçamento teve apenas o voto favorável do PS e os votos contra das bancadas do PCP, BE e PEV, além dos deputados da direita, PSD, CDS, Iniciativa Liberal e Chega. O PAN e as duas deputadas não inscritas abstiveram-se. 

A perda do apoio parlamentar no Orçamento do Estado de 2022 foi um dos motivos invocados por Marcelo Rebelo de Sousa para justificar a dissolução do parlamento e a antecipação das eleições.

No sábado, o Conselho Regional do partido decidiu que o PSD/Madeira vai concorrer às eleições legislativas antecipadas de 30 de janeiro de 2022 em coligação com o CDS-PP.

"Uma solução conjunta que, à luz da conjuntura atual, se afigura como a mais acertada para fazer frente ao PS e na qual, seguindo o método de Hondt, caberá ao CDS-PP o quinto lugar, estando os primeiros quatro lugares reservados ao PSD/Madeira", afirmou o secretário-geral do partido, José Prada.

Atualmente, o PSD/Madeira conta com três deputados na Assembleia da República, onde têm assento também três deputados do PS regional.