Muitos dos doentes que morreram de covid-19 tinham doenças associadas

03 Abr 2020 / 15:06 H.

A diretora-geral da Saúde revelou hoje que muitos dos doentes que morreram de covid-19 tinham várias doenças associadas, e que as mais comuns são do aparelho cardiocirculatório, doenças respiratórias, a diabetes e doença renal crónica.

Graça Freitas, na conferência de imprensa diária no Ministério de Saúde, em Lisboa, adiantou também que, “entre a data do início de sintomas e a data do óbito, em média, decorreram oito dias”.

Segundo a diretora-geral da Saúde, também já é possível traçar uma mediana em relação aos doentes que morreram com covid-19, nas mulheres a média é de 85 anos e nos homens é de 80 anos.

“A maior parte destas pessoas [que morreram] além do fator idade tem várias doenças e habitualmente têm mais do que uma doença. A maior parte delas têm três doenças”, acrescentou.

Entre as doenças mais comuns nas pessoas que morreram infetadas com o novo coronavírus constatou-se as do aparelho cardiocirculatório, doenças respiratórias, a diabetes, doença renal crónica, neoplasias e as doenças cerebrovasculares em geral.

Graça Freitas sublinhou também que a taxa de letalidade entre os idosos situa-se abaixo nos 10%.

“Não é nenhuma fatalidade ser idoso e ter alguma destas doenças, significa apenas um aumento do risco”, frisou.

Em relação às medidas a aplicar aos lares de idosos para combater o contágio do novo coronavírus, a diretora-geral da Saúde disse que têm decorrido “imensas reuniões entre o setor da saúde da segurança social” e que têm sido dadas muitas indicações aos profissionais e que “a situação está desde o início priorizada”.

“A nossa grande preocupação é, ao mínimo sintoma, entre idosos, funcionários ou profissionais,isolar, isolar, isolar, testar testar, testar e separar populações que estão positivas por covid-19 das negativas”, referiu Graça Freitas.

Segundo o boletim epidemiológico de hoje da DGS, morreram com covid-19 até ao momento 83 homens e 73 mulheres com mais de 80 anos e 35 homens e 23 mulheres na faixa etária dos 70 aos 79 anos.

Por sua vez, o secretário de Estado da Saúde admitiu que tem havido algumas dificuldades na marcação de testes à covid-19 nos laboratórios convencionados, mas o assunto está em resolução.

“Hoje está a decorrer uma reunião entre o Instituto Nacional Ricardo Jorge e a Associação Nacional de Laboratórios para melhorar a questão dos agendamentos dos testes”, disse António Lacerda Sales.

O governante garantiu que uma das prioridades continua a ser o aumento da testagem e deteção de casos de infeção, indicando que, “entre 1 de março e 1 de abril, foram processadas cerca de 86 mil amostras para covid-19”.

Portugal regista hoje 246 mortes associadas à covid-19, mais 37 do que na quinta-feira, e 9.886 infetados (mais 852), segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

De acordo com os dados da DGS, há 9.886 casos confirmados, mais 852, um aumento de 9,4% face a quinta-feira.