BE defende reforço de medidas sociais de apoio

Lisboa /
31 Mar 2020 / 16:35 H.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) defendeu hoje um reforço das medidas sociais de apoio às famílias devido à pandemia de covid-19 e abriu a porta à renovação do estado de emergência.

“É preciso aprofundar os apoios sociais”, dado que se as famílias estiverem “mais tempo sem os rendimentos”, o “problema social [será] mais profundo”, afirmou Catarina Martins aos jornalistas, no final da segunda sessão técnica de apresentação sobre a “Situação epidemiológica da covid-19 em Portugal”, no Infarmed, em Lisboa.

A coordenadora bloquista salientou, depois de ouvir os técnicos, que as medidas de distanciamento físico dos portugueses para travar o contágio pelo novo coronavírus “parecem estar a resultar” e que uma das consequências “devem ser prolongadas”.

Mas essa “boa notícia” tem consequências, a começar, argumentou, com o reforço das medidas sociais de apoio social, “para os lares, tanto para os cuidadores como para os utentes”, mas também para o pessoal que está “na linha da frente”, “todos os profissionais de saúde”.

Para a líder bloquista, se o país não pode abrandar as medidas de contenção, a “reflexão” seguinte é que é “particularmente importante” tomar medidas sociais e e económicas para as famílias portuguesas e os sectores que estão parados devido à pandemia.

E é esse o motivo para “aprofundar os apoios sociais” pelo Governo, concluiu.

Apesar de admitir ter tido dúvidas em alguns aspectos do estado de emergência, declarado pelo Presidente da República, quanto a restrições no direito à greve, Catarina Martins admitiu ser favorável ao prolongamento do estado de excepção.

As “restrições à circulação” e “chamar a iniciativa privada para colaborar neste esforço” de combate à pandemia previstas no estado de emergência mostram a “sua necessidade e utilidade”, admitiu a líder do BE, que votou a favor da decisão no parlamento há menos de duas semanas.