Negociações sobre o Brexit entre Governo britânico e ‘Labour’ recomeçam hoje

23 Abr 2019 / 10:54 H.

As negociações sobre o ‘Brexit’ entre membros do Governo britânico e dirigentes do partido Trabalhista serão retomadas hoje, dia em que a primeira-ministra, Theresa May, se reúne com os seus ministros após uma semana de recesso.

Segundo fonte oficial, as negociações deverão ter lugar à tarde, incluindo o ministro do Gabinete e número dois de May, David Lidington, acompanhado pelo ministro para a Saída da União Europeia (UE), Steve Barclay, enquanto o principal partido da oposição deverá estar representado pelo porta-voz para o ‘Brexit’, Keir Starmer, e pela ministra “sombra” da Economia, Rebecca Long-Bailey.

O Governo tem um mês para conseguir chegar a um entendimento com o ‘Labour’ que garanta uma maioria no parlamento para passar um Acordo de Saída do Reino Unido da UE antes de 23 de maio, data das eleições europeias, as quais Theresa May quer evitar realizar.

Quando os líderes da UE, no conselho europeu de 10 de abril, aceitaram um novo adiamento do ‘Brexit’ até ao final de outubro, impuseram como condição a participação britânica nas eleições para o Parlamento Europeu.

Entretanto, Theresa May reúne-se com o conselho de ministros a partir das 11:00 (mesma hora em Lisboa), numa altura em que está sob pressão de militantes de base e de deputados do partido Conservador para se demitir, de acordo com a comunicação social britânica.

Apesar de ter sobrevivido a uma moção de censura interna em dezembro do ano passado, que deveria protegê-la de uma nova tentativa até ao final de 2019, mais de 70 presidentes de concelhias do partido Conservador querem um congresso nacional extraordinário para debater a liderança de May, embora uma potencial votação não seja vinculativa.

No grupo parlamentar dos ‘tories’, o descontentamento com a forma como a chefe do governo está a conduzir o processo do ‘Brexit’ também é notório, e hoje à tarde um grupo de deputados conservadores deverá reunir-se para discutir a situação.

“A minha recomendação vai ser para dizer à primeira-ministra que deve sair o mais rápido possível - e agora estou a falar de uma questão de dias”, afirmou hoje o deputado eurocético Nigel Evans à rádio talkRadio.

Se ela recusar, Evans defende um processo para mudar as regras para forçar May a sair e desencadear eleições para a liderança do partido.