Santa Cruz agradece apreço de Marcelo, mas diz que “vamos precisar de muito mais”

03 Abr 2020 / 16:02 H.

O autarca de Santa Cruz, Filipe Sousa, enviou hoje uma carta ao Presidente da República, na qual agradeceu a palavra de apreço que Marcelo Rebelo de Sousa deixou aos autarcas na segunda mensagem que dirigiu ao país nestes tempos tão estranhos e difíceis que estamos a viver.

“As suas palavras têm para mim, e creio que para todos os autarcas, um valor reforçado para quem, como nós, vive no epicentro de uma proximidade que nos deixa lúcidos face à singularidade do momento atual e às consequências já visíveis deste primeiro embate.

Nós, os presidentes de Câmara, já começámos a ver muito claramente que depois do problema de saúde pública que estamos a enfrentar, seguir-se-á uma pandemia social cujas consequências serão avassaladoras e profundas.

Acredite, senhor Presidente, que mesmo em tempos de recolhimento social, os poucos contactos reais e virtuais com as pessoas já revelam o desespero por detrás da atual pandemia. Famílias inteiras que se viram, de um momento a outro, perante o encerramento das empresas onde trabalhavam. Famílias que ao medo da doença juntam um medo real face a um futuro incerto. Famílias que sentem já que, de um momento a outro, perderam as certezas de poderem continuar a pagar a casa, a escola dos filhos, a comida na mesa, a vida.

E estes problemas sociais vão multiplicar-se a muito curto prazo, ao mesmo ritmo do crescimento acentuado do desemprego. E, nessa altura, seremos nós, os autarcas, que, por estarmos na linha da frente, vamos ser chamados a criar mecanismos de apoio e /ou programas sociais que minimizem o flagelo. Serão muitas as famílias a necessitarem da nossa ajuda, até porque, no caso do concelho de Santa Cruz, dependem do setor que é o motor da Economia regional, o Turismo, dependem de outros sectores subsidiários, como a restauração, ou são trabalhadores em nome individual como os profissionais do táxi, e tantas outras atividades”.

Filipe Sousa agradece, mas lembra que vamos precisar de muito mais, nomeadamente de liquidez e de soluções concretas. “Esta carta transporta por isso um pedido claro para que exerça a sua magistratura de influência junto do Governo e da Assembleia da República, sensibilizando-os para importância de aprovar as propostas que já tive ocasião de apresentar quer ao Governo, quer à AMRAM e à ANMP. Sei que já existe uma proposta de lei a ser apreciada e votada na Assembleia da República, mas a mesma fica muito aquém daquilo que foi proposto.

Aliás, aproveito para lamentar o facto das associações representativas dos municípios não estarem minimamente sensibilizadas para demonstrarem a quem decide que o mais importante é dar rápida “liquidez” aos orçamentos municipais.