Há 20 anos a sucessão de Jardim era disputada entre uma ‘bicicleta’ e um ‘Ferrari’

18 Jul 2019 / 15:00 H.

Na edição de 18 de Julho de 1990 o DIÁRIO publicava uma extensa entrevista com João Cunha e Silva, então vice-presidente do PSD-M e do parlamento regional e que tinha coordenado a revisão do Estatuto Político-Administrativo da Madeira. Cunha e Silva recusava o título de ‘pai do Estatuto’ e dizia que a Autonomia deveria continuar ser ampliada. Questionado sobre a corrida à sucesso de Alberto João Jardim, onde era apontado como um dos favoritos, fez uma comparação curiosa entre candidatos que ainda hoje é recordada. O vice-presidente do parlamento disse que, na luta pela liderança do PSD-M, tinha recebido uma ‘bicicleta’ enquanto outros há muito que andavam de ‘Ferrari’, numa referência indirecta a Miguel Albuquerque que desde 1994 era presidente da Câmara Municipal do Funchal. No ano seguinte, Jardim ira dar um ‘veículo’ mais potente a Cunha Silva, a vice-presidência do Governo Regional.

Nesta edição também merecem destaque afirmações do próprio Jardim que chamava “fariseu” a António Guterres e dizia que os problemas da Zona Franca terminavam se estivesse instalada em Lisboa ou em Cascais.

Tópicos

Outras Notícias