Administração Pública regional cada vez mais ligada à ‘net’

DREM disponibiliza actualização das Séries Retrospectivas da Sociedade de Informação na Administração Pública Regional e nas Câmaras Municipais com os dados de 2017

06 Dez 2018 / 17:56 H.

De acordo com os resultados de 2017 do Inquérito à Utilização de Tecnologias de Informação e Comunicação (IUTIC), divulgados hoje pela Direcção Regional de Estatística (DREM), 79% dos organismos da Administração Pública regional possuíam uma Wireless Local Area Network (rede local sem fios), 70% dispõe de intranet e 40% tem sistema de videoconferência.

Nas principais actividades informatizadas desenvolvidas pelos organismos da RAM naquele ano, destacam-se a troca interna de ficheiros e outra informação e registo de informação (96%), a recolha/recepção de informação e a gestão financeira e administrativa, ambas com 91%, tendo estas duas últimas actividades registado acréscimos face a 2016. Todos os organismos dispõem de correio electrónico.

Nas actividades desenvolvidas na internet pelos organismos - sendo que todos têm acesso àquela rede - o uso de correio electrónico, a procura e recolha de informação/ documentação, a troca electrónica de ficheiros e a comunicação interna surgem naturalmente como as actividades mais frequentes, referidas pela quase totalidade dos organismos. Outras actividades merecem referência, nomeadamente o uso da internet para comunicação externa com os cidadãos (81%), para desburocratização de procedimentos (72%) e para compra ou venda de bens/ serviços (21%, em ambos os casos).

No seu portal de internet, 64% dos organismos da Administração Pública regional (APR) disponibiliza formulários para download, 51% permitem a submissão de formulários online, 53% oferece bens ou serviços em formato digital online, enquanto 26% usa aquele recurso para fazer inquéritos aos cidadãos. 32% dos portais possibilitam aos utilizadores dar conta do seu grau de satisfação e 17% têm um balcão de atendimento virtual.

Em 2017, apenas 4% dos organismos públicos da Região utilizaram comércio electrónico (8% em 2016) para efectuar encomendas, que estão principalmente relacionadas com a aquisição de serviços de telecomunicações e transferências de dados e viagens. As plataformas mais usadas para a realização de encomendas de bens e/ ou serviços através de comércio electrónico foram a central de compras do Estado e catálogos de fornecedores (50% cada). O principal motivo apontado para a não utilização deste tipo de comércio foi o de não se adequar ao perfil do organismo (25%).

15% dos organismos da Administração Pública regional indicaram ter recrutado ou tentado recrutar pessoal em 2017. Destes, 71% considerou ter sentido dificuldades no preenchimento daquele tipo de postos de trabalho. As principais funções TIC desempenhadas por recursos humanos internos foram o apoio a aplicações web e o apoio a software/ sistemas de gestão (ambas com 43%).

De acordo com os resultados apurados, 15% dos organismos indicaram ter adquirido serviços de computação em nuvem em 2017 (12% em 2016). O armazenamento de ficheiros e o correio electrónico são os principais serviços adquiridos neste domínio. Os motivos mais referidos para a não utilização da nuvem na RAM foram os custos elevados de aquisição (33%) e a incerteza sobre a legislação aplicável, jurisdição e o mecanismo de resolução de litígios (28%).

Note-se que apenas 9% dos organismos da RAM realizaram análises de Big Data (grande conjunto de dados gerados e armazenados) no ano 2017. Relativamente à fonte de dados usada neste tipo de análises, 50% daqueles organismos utilizaram dados do próprio organismo a partir de dispositivos inteligentes ou sensores e outros 50% dados gerados a partir de meios de comunicação digital, tendo estas sido realizadas, na totalidade das entidades (100%), por pessoal do próprio organismo.

As despesas de capital da Administração Pública regional em TIC atingiram em 2016 os 1,6 milhões de euros, 73,8% dos quais em licenciamento de software, enquanto as despesas correntes ascenderam aos 451,2 mil euros, cabendo a principal fatia à contratação de outros serviços TIC (33,0%).

Câmaras Municipais

Todas as Câmaras Municipais da Região têm internet (de banda larga) e marcam presença na internet, sendo que a consulta pública de processos nos sítios de internet é permitida por 73% das Câmaras.

O recurso ao comércio electrónico por parte das Câmaras Municipais da RAM tem vindo a ser mais comum nos últimos anos, com 6 das 11 Câmaras da Região a utilizarem esta funcionalidade. Em comparação com a média nacional, a RAM encontra-se ainda abaixo (55% das Câmaras da RAM contra 59% das Câmaras no país).

Por sua vez, em 2017, apenas 4 das 11 Câmaras da RAM permitiam o preenchimento e submissão de formulários online (62% no país que compara com os 36% da RAM).

Outras Notícias