Hospitais Privados apelam para que ADSE faça adaptações na tabela de preços publicada

08 Mar 2018 / 23:40 H.

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) pediu hoje à ADSE que, relativamente à tabela de preços publicada e face à inclusão de rubricas não acordadas, faça adaptações nos próximos dias, respeitando o resultado do processo negocial.

A decisão da APHP foi tomada em assembleia-geral extraordinária com o único intuito de fazer uma avaliação conjunta da Tabela de Preços e Regras 2018 do Instituto de Proteção e Assistência na Doença - ADSE, o sistema de saúde dos trabalhadores e reformados da função pública.

A APHP, representando 110 hospitais e clínicas, mais de 30 mil colaboradores, incluindo mais de oito mil médicos, e um volume de negócios de 1,9 mil milhões de euros, reafirma que não abdica de “princípios estruturantes de cuidados de saúde de excelência”, designadamente o acesso dos beneficiários da ADSE a cuidados diferenciados dos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), que a associação lembra ser a razão base da existência da própria ADSE.

Não abdica também da garantia da equidade negocial, pois é um “principio a manter, no futuro, na relação entre as partes”.

A associação diz compreender as preocupações da ADSE e nota que os hospitais privados concordam com a atribuição da primazia à sustentabilidade, motivo pelo qual defende que a ADSE “adopte, tão breve quanto possível, tabelas completas e atualizadas tendo por referência a Tabela da Ordem dos Médicos”.

A assembleia-geral serviu ainda para os associados manifestarem “total espírito de coesão”, reiterando o alinhamento em torno da APHP, seu representante.

Quando a nova tabela de preços que a ADSE pretende pagar aos operadores foi publicada pelo subsistema de saúde dos funcionários públicos, os privados alertaram logo que tinha “erros e imprecisões” e precisava de ser corrigida.

Inicialmente prevista para entrar em vigor a 1 de março, a nova tabela de preços tem sido objeto de negociação entre a ADSE e os operadores privados, representados pela APHP, após uma proposta inicial ter sido recusada pelos convencionados.

Com o objetivo de entrar em vigor a 1 de abril deste ano, a nova tabela foi publicada no site institucional da ADSE.

Ao tomar conhecimento desta divulgação, a APHP emitiu um comunicado, no qual afirma que a mesma “contém erros e imprecisões que carecem de revisão nos próximos dias”.

Os operadores privados reiteram “a necessidade de rever as temáticas que não foram objeto de negociação ou sobre as quais já havia sido manifestado um desacordo de princípio por parte dos hospitais privados”.

Na altura, fonte da APHP disse à agência Lusa que não existe acordo em alguns atos praticados no âmbito da oftalmologia, cardiologia e no recurso ao médico especialista através da urgência.

Tópicos

Outras Notícias